Foto: Premium Level at Barcelo Bavaro Palace
Na minhaAmérica
08/08/2017 | 6 comentários

Comida de resort

A gastronomia sempre vai ser um dos principais atrativos num resort all inclusive. A possibilidade de comer e beber à vontade, sem pensar no preço, seduz até mulheres preocupadas com o biquíni. Até porque, se você não bebe ou está de regime, não tem sentido pagar por essa mordomia.

O problema é que, em geral, os complexos hoteleiros garantem mais quantidade do que qualidade aos milhares de clientes. E só recentemente nós, brasileiros, começamos entender que esse sistema não é sinônimo de luxo. Afinal, tudo que é massivo fica menos sofisticado e não dá pra arriscar inovações atendendo tantas pessoas de diferentes idades e nacionalidades.

Restaurante com cadeiras de madeira e couro e mesas com toalhas brancas Blog Vem Por Aqui

Premium Level at Barceló Bavaro Palace, por exemplo, tem 10 restaurantes e 13 bares, mas, às vezes, deixa a desejar.

Bar do hotel com mesas e cadeiras altas e balcão com várias cadeiras Blog Vem Por Aqui

Você encontra frutos do mar aqui e ali, carnes nobres, espumante, drinks e vinhos, mas precisa provar um pouco de tudo para saber onde vale a pena parar.

Tomei coquetel com gosto de sabonete no bar da piscina principal, feito por um barman claramente mal-humorado. Também tomei bebidas preparadas com esmero por outros que (mesmo antes da indefectível gorjeta) pareciam felizes no trabalho.

Mesa de café da manhã com bandejas de frutas e bowls com bebidas, garrafas de água e de espumante Blog Vem Por Aqui

A regra simples para evitar furada costuma ser ‘quanto mais vazio, melhor’. Por isso, procure os pontos mais afastados e os horários menos lotados para não correr o risco de comer uma paella crua, como a que estava sendo servida num dos nossos almoços.

Outra dica importante que li em vários blogs de viagem é sempre especificar as marcas do que você pretende tomar. Se você quer um drink com rum, peça Imperial, se prefere com vodka, diga que quer Absolut, assim, você evita as bebidas genéricas que normalmente são servidas.

Mateus e Érika sorrindo e segurando copos com bebidas Blog Vem Por Aqui

A serenidade no olhar de quem encontrou o bar que servia os melhores drinks…

Não tivemos nenhuma restrição nos restaurantes à la carte. Quando chegamos agendamos para cinco dias e deixamos duas datas livres para repetir os que mais gostamos. Passamos um pouco de aperto para marcar essas últimas. Num dia só conseguimos jantar às 22h30 e o outro restaurante que queríamos já estava lotado no sábado. Por isso, o melhor é não arriscar, marcar tudo o quanto antes para ter opções e garantias. É melhor desistir da reserva do que ficar chupando dedo.

Cozinheiro no meio da estação do restaurante japonês com cadeiras em volta Blog Vem Por Aqui

Todos os restaurantes à la carte oferecem entrada, prato principal, sobremesa e bebidas à vontade. Como são vários turnos, os garçons têm uma certa pressa em pegar o pedido completo logo depois da chegada. Alguns contam com um buffet de antepastos. Há apenas uma marca de vinhos e de espumante incluída que não é grande coisa. Quem quer mais qualidade tem que pagar à parte por um vinho melhor.

Nos buffets a comida é muito variada (e praticamente igual nos dois restaurantes). Há um setor com pratos infantis, uma ala enorme de queijos e saladas, pizzas, hambúrgueres, massas, carnes e pratos locais e internacionais em grande quantidade. Eles não precisam de reserva prévia, abrem para café, almoço e jantar e não têm restrições de vestimenta.

Os à la carte só funcionam no jantar (com exceção do que fica ao lado do campo de golfe) e exigem trajes formais. Homens só podem entrar de calça e mulheres devem evitar shorts e roupas de banho. A ideia é que o jantar seja como um passeio dentro do complexo, que as pessoas se preparem para esse momento, por isso, os restaurantes investem numa decoração suntuosa e numa comida mais sofisticada. Ainda que sofisticação seja sinônimo de anos 80…

Érika sentada na cadeira e Mateus em pé, atrás, sorrindo, no meio do restaurante Blog Vem Por Aqui

Vestidos pra ‘de noite’ no restaurante francês

Minha maior decepção foi o espaço de frutos do mar. Apesar de estar instalado numa das partes mais bonitas do hotel, no alto, com uma varanda que dá vista para todo o complexo, o lugar parece malconservado. A decoração já viu dias melhores, a comida é extremamente gordurosa e até o buffet de antepastos é pobre.

Prato com espetinho de tomate com camarão, camarão empanado e banana frita Blog Vem Por Aqui

Camarão empanado todo trabalhado no óleo

Esse buffet e o de sobremesas é compartilhado com a casa de carnes e talvez os dois tenham mesmo essa proposta mais popular…

Mesa com vários pratos quadrados cheios de doces em diferentes formatos Blog Vem Por Aqui

Bonitinha, mas ordinária…mesa de sobremesas que tinham todas o mesmo gosto

Não provei o de carnes, nem o japonês. Esse último tem uma área externa linda, como havia lido que é mais oriental (cheio de yakisobas e yakimeshis) que propriamente japonês, me contentei apenas em admirar.

Entrada do restaurante japonês com parede de madeira com letreiro escrito Kyoto e galho simulando cerejeira, ao lado luz roxa com árvores iluminadas também simulando cerejeiras Blog Vem Por Aqui

A melhor surpresa foi, sem dúvida, o mexicano, a qualidade da comida me impressionou e a fartura dos nachos de entrada também.

Potes com três tipos de pastas e bowl com nachos Blog Vem Por Aqui

O espanhol é bem agradável e olha que ficamos no calorzinho da varanda, longe do ar condicionado…

O italiano e o francês são os mais elegantes. Para evitar decepções, volto a reforçar que a sofisticação aqui está uns 30 anos atrasada. Ou de que década você acha que saíram o coquetel de camarão e a lagosta ao thermidor?

Abacaxi com coquetel de camarão dentro e quatro camarões grandes saindo da fruta Blog Vem Por Aqui

Se você não estiver esperando o melhor prato da sua vida, nem a inovação culinária do século, dá pra ser muito feliz por lá.

Mosaico com quatro pratos dos restaurantes do resort. Primeiro é um peixe com molho vermelho e branco, segundo camarões com milhos e batatas, terceiro nhoque e quarto lagosta Blog Vem Por Aqui

O diferencial do italiano é o buffet, as opções de antepastos são tão boas que a gente quase esquece o jantar. E, “para nossa alegriaaaaaaaaaaaaa”, há pratos com camarões em todos os restaurantes.

No geral, a atmosfera é melhor que os pratos, mas, ajustando as expectativas, a comida não vai ser um problema.

Compartilhe

Comentários

  1. genesio augusto disse:

    gente, que texto bizarro, legendas de fotos e fotos bizarras.
    esse tipo de local é “luxo para povão”
    so os terceiro mundanos pra se acharem bacana num local destes.
    exercicio, esteira, dieta a dupla ai nao quer nao ne?

  2. genesio augusto disse:

    vejam as fotos do prato. isso embrulha o estomago de qualquer chef quanto mais frances…
    ta com cara de congelados da sadia
    mas enfim, feitos em “all inclusive” so o povao pra achar que tem alguma exclusividade.

    1. Érika Gimenes disse:

      Não, Genésio, a dupla aqui não quer esteira, nem dieta, não. Quando viajamos só nos preocupamos em nos divertir. Bizarro para a gente é ser agressivo gratuitamente. Fique a vontade pra fazer críticas construtivas, já para destilar veneno, o lugar não é aqui.

  3. Hugo disse:

    Muito bom o texto.

    Expectativa é tudo, e se já viajamos com uma noção do que vamos encontrar, fica bem melhor.

    E assim como vocês, também viajo para me divertir e fazer coisas diferentes.

    Mas pelos comentários anteriores, existem pessoas amarguradas que não conseguem conviver com a felicidade alheia. O melhor a fazer é ignorar.

    1. Érika Gimenes disse:

      Obrigada, Hugo!

  4. ben hur disse:

    Otima dica, as vezes achamos que sera super e temos so’ o basico. Bom ir preparado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *