Foto: Arquivo Esaer
Beabá
30/05/2016 | 31 comentários

Aeromoça, não! Técnica em segurança de voo

Tem quem ache que eles estão ali apenas pelo serviço de bordo. Buscar água, levar refeições, pegar cobertor…alguns passageiros acreditam que os comissários são garçons e garçonetes de luxo, não poderiam estar mais enganados! O Beabá de hoje é uma comemoração antecipada do Dia do Comissário de Bordo (31/05) e você vai descobrir como é o treinamento para fazer parte da tripulação de cabine de uma aeronave.

O primeiro passo para quem quer viver nos ares é buscar uma escola credenciada pela Agência Nacional de Aviação Civil, a ANAC. No site da agência você consegue pesquisar todas as escolas ativas e ver quais cursos oferecidos estão homologados. Das cinco que aparecem na lista com endereço em Belo Horizonte, uma não atende telefone e nem tem site disponível (a Eagle), as outras são: Decolar, Esaer, Starflight e Voar.

Turma de comissários em treinamento prático da Esaer Blog Vem Por Aqui

Turma de comissários em treinamento prático.

Para entender melhor a profissão e o curso, eu procurei a mais antiga delas, a Escola Superior de Aeronáutica (Esaer), que existe há 24 anos. Quando trabalhava em TV entrevistei algumas vezes o criador da escola, o comandante Luiz Eustáquio Moterane, para falar de alguns acidentes aéreos que chocaram o país. Dessa vez, conversei com a gerente e instrutora da escola, Renata Xavier, que me lembrou da importância dos comissários de bordo nesse tipo de situação extraordinária. Renata faz questão de ressaltar que eles não são meros atendentes e que a formação credencia os profissionais como técnicos em segurança de voo.

Além de manter um bom relacionamento com os passageiros, acalmando, inclusive, aqueles que têm medo de voar; os comissários têm que ter noções de primeiros socorros e de técnicas que ajudem a preservar a segurança dos clientes em casos de turbulências, despressurização e até quedas.

Simulação de atendimento a feridos em treinamento da Esaer Blog Vem Por Aqui

Simulação de atendimento a feridos.

Os candidatos têm que ter, no mínimo, 18 anos e ensino médio completo. Até o final do curso todos devem passar por um exame médico em hospitais da Aeronáutica ou com médicos credenciados pela ANAC. Esse exame pode custar cerca de R$ 600.

Não falei até agora em aeromoças porque, hoje em dia, há muitos homens compondo as equipes de bordo. A idade, a altura e o conhecimento de línguas estrangeiras, que antes eram fatores limitantes, já não são exigências comuns a todas as empresas.

De acordo com Renata, as companhias personificam a seleção de acordo com as próprias necessidades.

“O que o mercado procura é um profissional que preencha os requisitos da empresa”

As que operam apenas no território nacional e usam aeronaves pequenas não estipulam limite de altura e pedem apenas o conhecimento intermediário de uma segunda língua (que pode ser inglês ou espanhol).

Companhias nacionais que voam para fora do país costumam exigir um mínimo de 1m60 de altura para que o profissional consiga fechar o compartimento superior. Algumas estrangeiras são bem rigorosas, tanto quanto à aparência quanto ao conhecimento de idiomas. A Emirates, por exemplo, pede que o comissário alcance uma altura de 2m10 na ponta dos pés e que tenha peso proporcional à altura, ainda que não divulgue qual o Índice de Massa Corpórea (IMC) ideal. O inglês fluente é fundamental e o conhecimento de línguas adicionais conta pontos extras na seleção.

O curso dura, em média, quatro meses. Na Esaer as aulas acontecem de segunda a quinta, de manhã ou à noite, com três horas de duração por dia. No último período, a escola formou 70 comissários e, neste, tem 98 alunos matriculados.

Ao todo, são 13 matérias. O aluno aprende desde segurança de voo e conhecimento básico de aeronaves a primeiros socorros e meteorologia. Há uma aula prática, feita numa reserva florestal, perto do aeroporto de Confins, que dura um dia inteiro, de 6h às 22h. Nela, os futuros tripulantes exercitam o que aprenderam em sala e se deslocam na água, apagam incêndios, montam acampamento…

Alunos apagam fogo na mata em treinamento da Esaer Blog Vem Por Aqui

Alunos apagam fogo na mata.

Investimento e vida após o curso

O aluno gasta cerca de R$ 5.000 para chegar até o final do treinamento. Além do valor do exame médico (R$ 600), o curso da Esaer sai a R$ 3.520 (podendo ser pago em oito parcelas de R$ 440). As taxas de matrícula e da aula prática são cobradas à parte (R$ 98 e R$ 140, respectivamente). Se for aprovado pela escola, o candidato está habilitado a fazer a prova para o certificado de habilitação técnica da ANAC e tem que pagar outros R$ 345,68 quando fizer o teste. Ainda que passe nessa prova, o documento só será emitido depois que ele fizer o treinamento obrigatório na companhia aérea que contratá-lo.

Renata Xavier diz que a duração do treinamento das empresas varia de acordo com a urgência de cada uma. Ela já viu alternâncias entre 45 dias e 2 meses. Durante o período de preparação, o candidato recebe o salário-base, que é de R$ 1.742,04.

Com o tempo, esse valor pode subir para até R$ 4.000 em empresas nacionais, mas, de acordo com Renata, os benefícios é que tornam a carreira atrativa. Além de conhecer o mundo, os comissários se hospedam em hotéis de 4 ou 5 estrelas pagos pela companhia, tem transporte gratuito e alguns ainda recebem o valor da alimentação em dinheiro e ganham por quilometragem voada.

Em empresas exigentes e que atendem uma clientela de luxo, como a Emirates, os benefícios são ainda maiores. A tripulação recebe em dólar (nossa leitora Marina alertou que eles ganham em Dirham), mora nos alojamentos em Dubai e têm todas as despesas fixas (como água, luz e internet) pagas. No começo do mês a companhia fez uma seleção na Esaer e trouxe uma ótima notícia para quem está preocupado com a crise no mercado nacional. Até 2020, a Emirates pretende contratar mais cinco mil tripulantes.

  • Atualiazação em 31/05 – O Comissário Mania tem um post ótimo (ainda que de 2014) comparando salários e benefícios da Qatar e da Emirates e ainda tem uma entrevista com uma comissária brasileira que trabalhou na companhia de Dubai.

Ainda que pareça atrativo, Renata diz que o candidato tem que ter uma coisa muito clara:

A vida dele é em função da empresa.”

A escala é divulgada mensalmente e prevê seis dias de trabalho para um de folga, incluindo feriados e datas comemorativas. Ela diz que são poucas as companhias que dão abertura ao comissário para pedir uma folga, ainda que programada, numa data especial.

Um ponto que não é cobrado pela prova da ANAC, mas é tema de matéria na Esaer é a Etiqueta. Segundo Renata, todas as empresas aéreas exigem postura, relacionamento com o passageiro e cuidados com a aparência, como maquiagem adequada e acessórios condizentes com o uniforme.

Quem quer saber mais sobre a formação de comissários de bordo pode consultar o portal Comissário Mania, voltado para notícias e esclarecimentos sobre a profissão.

Já para se divertir e conhecer a dura realidade da carreira, não perca as histórias tipo ‘a vida como ela é’ do Dubai On Air.

História

Foi em 1930 que a profissão de comissário de bordo começou a ganhar os contornos que tem hoje. Anos antes, algumas companhias já contratavam um terceiro tripulante para carregar bagagens ou ajudar passageiros, mas foi só com a enfermeira britânica, Ellen Church, que isso mudou. Ela sonhava em ser piloto de aviões, quando viu que não seria contratada por ser mulher, propôs à Boing Air Transport que colocasse enfermeiras nos voos para cuidarem da saúde dos clientes.

Leia sobre Ellen e conheça a história da aeromoça mais velha do Brasil no Cultura Aeronáutica.

Foto retirada da homenagem que o site da Associação de Mecânicos de Voo da Varig fez à dona Alice Editha Klausz.

Foto retirada da homenagem que o site da Associação de Mecânicos de Voo da Varig fez à dona Alice Editha Klausz.

A última notícia que li sobre a Tia Alice é que ela não está mais voando, mesmo assim, não deixa de ser um caso único e interessante.

O Hypescience tem uma lista de 10 situações em que os atos de bravura de comissários de bordo salvaram a vida de passageiros.

 

Na Prática

Exigências para o curso:

– Ser maior de 18 anos

– Ter concluído o 2º.grau

– Fazer exame médico em Hospital da Aeronáutica ou com médicos credenciados

 

Duração e aulas:

4 meses

– Turmas na Esaer: Segunda a quinta: 09h às 12h / Segunda a quinta: 19h às 22h / Sábados: 9h às 18h

 

Custos:

R$ 98 inscrição

R$ 3.520 (divididos em 8x R$ 440)

R$ 140 aula prática

R$ 600 exame médico (valor aproximado e em médico credenciado particular)

R$ 345,68 prova ANAC

 

Próximas turmas em Belo Horizonte

Decolar – segunda semana de junho – (31) 3492-8353

Starflight – 27/06 – (31) 3491-6051

Esaer – 02/07 – turma de sábado / 19/07 – turmas de segunda a quinta – (31) 3271-2377

Voar – 11/07 – (31) 2565-3837

Compartilhe

Comentários

  1. Moterane disse:

    Boa matéria, recomendo ainda mais pelas lindas fotos dos alunos da ESAER

    1. ivone disse:

      Tb concordo professor cmte moterane, pq estive la na foto a melhor escola ESAER de bh desde 1991.

  2. ANDEIA MESQUITA disse:

    Exelente materia de divulgação da escola . Pena que tem algumas infornações práticas que não condizem com a realidade do mercado .

    1. Érika Gimenes disse:

      Os dados não foram apurados apenas com essa escola, Andreia, e nem são fruto de materia paga como você sugere. Se assim fosse, a matéria estaria sinalizada como tal, como é parte da nossa política editorial. Como você também é representante de outra escola, seu comentário soa tendencioso. Até porque, foi dado espaço a vocês, quando entraram em contato com o blog pelo Facebook, para se posicionarem e enviarem as informações que julgassem necessárias. Como o nosso compromisso é levar informações corretas ao nosso público, o espaço continua aberto. Fique a vontade para fazer as considerações que julgar necessárias e vamos apurar e corrigir o que for pertinente.

    2. ivone disse:

      Sra não vejo nada de informações q n condizem nessa matéria, tudo q estão falando são verdadeiros, pq tudo nesta vida tem uma etapa principalmente na aviação, a obrigação de todas as escolas de aviação civil é de formar os alunos, e eu como procurei, pesquisei, analisei eu escolhi me formei na melhor escola de BH ESAER desde 1991 para mim, eu prezo por qualidade e por ser a melhor de todas e estar no mercado a mais de 26 ANOS, e cada um escolhe e tem direito livre árbitro de está onde se sentem bem, depois de formar nos alunos é temos q fazer nossa parte, temos q correr atrás dos nossos sonhos, para q seje realizado no mercado e vire relidade do jeito q sempre sonhamos. Acho q a Matéria esta perfeita e muito profissional e com ética, por ter falado todos os nomes de outras escolas estão de parabens parabéns.

      1. Érika Gimenes disse:

        Agradeço os elogios e a avaliação, Ivone. Abraços, Érika

        1. Ivone disse:

          N tem q agradecer Erika é um prazer falar o q é bom e verdadeiro, é para ser divulgado sempre para todos.

  3. Marina disse:

    Belo tema 🙂 só uma obs, comissários da Emirates recebem em Dirham, não em dólar.

    1. Érika Gimenes disse:

      Obrigada pela correção, Marina! Você é comissária? Se quiser contar um pouquinho da sua rotina para a gente, será um prazer. Escreva para contato@vemporaqui.com.br

  4. Luiza machado disse:

    ESAER é uma escola especial… Pra mim, a melhor de todas!!! ✈️❤️

  5. Leila disse:

    Fui aluna da ESAER e não é demagogia minha, Mas é a melhor e procura sempre passa as informações necessárias e corretas para seus alunos e todos aqueles que buscam informações sobre esta profissão.
    A Andreia foi ex-aluna ESAER e sabe que é uma otima escola e suas informações são fidedignas.
    Cabe a cada um pensar da forma que quiser e vejo muitos alunos da ESAER voando no exterior e nacional, graças aos ensinamentos e preparaçao da melhor equipe de professores.
    Toda matéria divulgada tem direito de resposta e acredito que a Erika Gimenes fez a matéria usando de depoimentos de comissária (o) hoje atuando, ou seja, a materia tem fundamento e foi muito bem feita.

    1. Érika Gimenes disse:

      Obrigada pelos seus elogios, Leila, estamos sempre abertos à críticas e prontos a corrigir qualquer engano, mas nem sempre agradaremos a todos. Que bom que a você agradou. Abraços, Érika

  6. Gabriela disse:

    Érika, que linda reportagem!
    Me chamo Gabriela, tenho 17 anos, estou no 3º ano do Ensino Médio e estava com muitas dúvidas sobre meu futuro, muita pressão da escola e família sobre o Enen e o vestibular.
    Sua matéria ascendeu a vontade e a curiosidade pela profissão de Comissária de Voo e agora vou procurar saber mais sobre ela na escola que você citou!
    Obrigada!!!!

    1. Érika Gimenes disse:

      Que maravilha, Gabriela! Ficou muito feliz que tenha sido útil para você e te ajudado a entender melhor seu caminho. Em breve vou colocar aqui a entrevista com uma comissária de bordo contando um pouco mais da rotina dela. Abraços, Érika

  7. Diogo Arruda disse:

    Excelente matéria! Mas ñ poderia ser menos né, uma redação com profissionais de qualidade e a MELHOR ESCOLA DE BH, só poderia ser mesmo esse SUCESSO! Na Esaer além da profissão, ganhei amigos e aprendi muito sobre a vida!! Parabéns a todos os envolvidos!

  8. Ft Rafael Pereira de Carvalho disse:

    Meu nome é Rafael, sou fisioterapeuta e comissário formado pela Voar Escola de Aviação Civil em dezembro de 2015. Eu parabenizo a reportagem e falo com propriedade de causa. Eu tinha um sonho desde pequeno em trabalhar na área de aviação civil e por ser do interior isso foi protelado por alguns anos. Cada um tem o livre arbítrio sim de escolher e o que me levou a escolher a Voar para realizar meu sonho foi a qualidade do material didático, corpo docente ímpar, direção da escola e funcionários aptos a responder todo meu questionamento em relação à profissão de comissário , localização, e em nenhum momento a escola falou mal ou denegriu a imagem das outras escolas, muito pelo contrário, eles disseram que era pra eu conhecer as outras e chegar a uma conclusão. Hoje tenho contato com várias escolas de São Paulo, participo de cursos frequentemente e fico muito feliz de perceber que a Voar não fica atrás de nenhuma escola de São Paulo. A escola nunca se preocupou em me formar para prestar a prova da ANAC, me preparou para ser o melhor comissário e isto eu levo para a vida. Indicada por profissionais que mais entendem de Aviação Civil no Brasil, isso não é brincadeira. Vou em defesa da Andreia que nunca precisou de denegrir a imagem de ninguém para ter sucesso porque o trabalho da Voar aparece por si só nos comissários e pilotos que lá se formam Brasil e mundo afora. Nao desmerecendo as outras escolas, mas foi na Voar que conquistei as minhas asas, agora é comigo, mostrarei a quem for preciso a que vim.

    1. Katyuska disse:

      Tudo que é da Esaer a Andreia detona sim. Basta ser da ESAER. Parece que ela se esquece que foi nossa aluna. Sic.

  9. Daivison Capanema disse:

    Realmente Érica Gimenes a matéria divulgada está muito bem feita, mas como você mesmo informou vocês estão abertos à sugestões para que possam melhorar ainda mais a Escola, então a opinião da Andréia não foi com intenção de prejudicá los, mesmo porque, como foi dito, ela se formou na Esaer e pelo o que eu conheço sobre ela, jamais usaria de métodos não convencionais para denegrir a imagem da Esaer.
    A opinião dela com certeza foi com intenção de que sempre podemos melhorar. Devemos estar abertos para os elogios assim como para as críticas construtivas.
    A Esaer realmente é uma Escola com credibilidade no mercado há muito tempo, isto é inquestionável, mas a Voar Escola de Aviação Civil também tem seu mérito no mercado e está trabalhando duro para poder se aprimorar a cada dia.
    Portanto, o mercado está aberto para o público escolher a Escola que desejam cursar.
    Espero que não me interprete mal, assim como Andréia, apenas expressei minha opinião sem a intenção de promover ou até mesmo denegrir a imagem de qualquer uma das Escolas que atuam no mercado.

    1. Érika Gimenes disse:

      Como disse a ela, Daivison, estamos abertos a qualquer crítica construtiva e correções, por isso, antes mesmo dela enviar o comentário por aqui, já havia me colocado à disposição para corrigir possíveis erros. O problema é que ela apenas insinuou que a matéria tinha problemas, não condizia com a realidade do mercado, mas não enviou nenhuma informação relevante a respeito. Fique a vontade para expressar sua opinião, só peço a quem faz críticas, que não é o seu caso, que dê embasamento a essas críticas e nos ajude a crescer. Abraços

  10. Ana Flavia Mainarte disse:

    Bacana matéria, mas concordo com a Andreia.. Seria interessante colocar na matéria, qual empresa aérea dar estagio…Não existe estágio. .
    Existe um treinamento puxado um cheque Anac no final de todo treinamento que te dá o CHT ou não… Sou aluna da melhor escola de Bh onde existe pessoas capacitadas e atuantes na àrea da aviação.

    1. Érika Gimenes disse:

      Quanto ao termo estágio segue o trecho da página da própria Anac sobre o estágio de voo obrigatório:
      “A empresa oferecerá estágio em voo de, no mínimo, 15 horas, sendo que, destas, deverá ser destinada 1(uma) hora para realização de cheque (exame prático) aplicado por profissionais credenciados pela ANAC.”
      Para evitar problemas de interpretação de texto, o mesmo foi substituído no texto por “treinamento obrigatório”.

  11. Larissa Castellano disse:

    Fazer o curso de comissária de vôo foi a melhor decisão que eu tomei na minha vida, tanto profissionalmente como pessoalmente! Desde dos meus primeiros dias minha coordenadora me orientou os pontos positivos e os negativos, principalmente os pedidos de folgas que nem sempre serão aceitas, e que talvez irei passar muitas datas comemorativas voando ( tem coisa melhor ? rs) mas a paixão pela a profissão fala muito mais alto ! Sobre meu curso não tenho oque reclamar , professores que trabalham na aérea e que te ajudam e tiram dúvidas dentro e fora da escola. Sem contar o treinamento na selva ( todos com exames médico em dia antes do treinamento ) em que a escola simula uma queda de avião e passamos 30 horas em uma ” floresta ” reservada para esse tipo de treinamento e com profissionais cuidando e orientando a gente a todo tempo !! É muito gratificante montar seu próprio abrigo , abater e fazer a sua própria comida e cuidar do seus colegas de grupo.. muito orgulho de fazer parte da VOAR !
    Aprendi a ser comissária dentro e fora de uma aeronave , acho que todos nós que queremos ( e que trabalham na aérea , tanto voando ou nas escolas ) deveria saber ser comissária fora do uniforme também ! Todos no mesmo time para forma profissionais de qualidade e não por quantidade ❤

  12. Alex Bottaro disse:

    Engraçado a gente falar que escola é melhor né? Hahahaha bom, no meu caso eu posso afirmar que a melhor escola de Aviação Civil de BH é a Voar. Como aluno, sempre fui muito bem formado e instruído com a realidade do mercado de trabalho e da tão amada profissão de comissário de vôos. Sobre estágio e folga, nunca ouvi falar isso aí… não só na escola, mas tbm com amigos que já trabalham na área na Latam, Azul e Passaredo. Empresa nenhuma tem estágio como já foi falado acima. Empresa nenhuma é obrigada a te dar folga, mas sim, vc pode solicita-la.
    Como cliente, antes de iniciar os estudo na VOAR, procurei me informar de diversas escolas em BH, cheguei a comparecer na Esaer pronto para me matricular mas não fui bem atendido, não fui instruído quanto as muitas dúvidas que possuia, afinal estava caindo de paraquedas no curso e na área. Sai de lá e fui direto à Voar, onde fui muito bem recebido, orientado e hj, formado. Indico sem sombra de dúvidas a Voar como melhor Escola de Aviação Civil de BH.
    Opinião de um consumidor, aluno e profissional.

  13. Michelle MOTERANE disse:

    A matéria é sobre SER UM COMISSÁRIO, e a ESAER foi convidada e se sentiu muito honrada em fazer parte e contribuir para o Blog Vem Por Aqui. Muito obrigada Érika!

    Seguindo a linha da transparência que sempre adotamos, apenas para esclarecer, a Sra. Andreia insinuou maliciosamente que a matéria era paga o que gerou a resposta muito profissional da Jornalista Érika.

    Os elogios à todas as escolas são bem vindos e importantes. Não houve estimulo contra NENHUMA ESCOLA.

    Não há rivalidade da parte da ESAER. Há profissionalismo! Por isso estamos no mercado sempre inovando, trazendo palestras de peso, seleção da Emirates. Também já promovemos dentro da ESAER seleção para WEBJET (2011) e TAM (2009).

    Abraços a todos e parabéns Érika Gomes pelo profissionalismo e seriedade do seu blog. Sempre que quiser nos convidar nós nos sentiremos honrados!

    1. Érika Gimenes disse:

      Prezados,
      só para evitar desgastes desnecessários, não vamos mais nos pronunciar sobre o assunto. Quem quiser promover competições entre escolas e desviar o foco do tema da matéria, poderia fazê-lo em outro fórum, já que esse é um blog de viagens e não iniciou esse tipo de rivalidade, uma vez que sequer teríamos competência técnica para fazer essa avaliação. Como ressaltado pela Michelle, não é esse o assunto tratado pela reportagem. Todas as informações constantes foram apuradas com várias fontes (ANAC e profissionais do setor, inclusive), qualquer discrepância em relação às informações pode ser informada pelo email contato@vemporaqui.com.br e será apurada e corrigida, se for o caso.

  14. Bruna Bastos disse:

    Boa tarde!
    Meu nome é Bruna e eu me formei no curso de comissário de voo em 2015 pela Voar Escola de aviação civil,primeiramente gostaria de dizer que a matéria é muito boa sim é esclarecedora,porém,alguns fatos não são tão verídicos assim,como por exemplo as folgas,nenhuma cia aérea é inflexível sobre folgas,é claro que depende muito de cada cia,as escalas não são tão rigorosas assim,tenho muitos conhecidos na aviação e não condiz com o que falam,enfim,a cmra Andrea Mesquita em momento algum denegriu a imagem de nenhuma escola,ela apenas se posicionou de forma imparcial com relação a matéria,em nenhum momento foi falado por ela sobre a auto promoção da escola,sinto o maior orgulho em ter estudado na Voar,em ter feito parte da família Voar,antes de iniciar o curso pesquisei TODAS as escolas de Bh,e nenhuma me fez sentir tão acolhida e segura pra se fazer o curso,ao iniciar o curso percebi todo o cuidado da Voar com seus alunos,desde a infra estrutura até os instrutores escolhidos a dedo por eles,a escola disponibiliza uma excelente Infraestrurura,material didático de primeira e atualizado,UM UNIFORME IGUAL DE UM COMISSÁRIO,tanto pra homens quanto pra mulheres,aulas de etiqueta e postura,maquiagem e cabelo,tudo isso muitíssimo bem ensinado por eles,a Voar não prepara os alunos pra apenas passar na ANAC,eles preparam os alunos para a aviação,pra sermos os melhores profissionais,além do mais,tem o banco de talentos que funciona sim e indica aqueles que realmente se deixaram moldar e preparar pela escola,a Voar tem pouco tempo no mercado,mas já mostra que é grande e que veio pra ficar,e que é a MELHOR DE BH,nossa selva foi realmente um preparo de primeira,passamos um fim de semana inteiro na selva,nos ensinaram toda as situações de sobrevivência,desde de montar nosso acampamento (os próprios alunos tiveram que fazer isso) até caçar a nossa própria comida e prepará-la,saímos de com outra visão sobre situações de emergência,e eles nos ensinam o que é o check ANAC também e os alunos que são chamados para uma seleção têm total apoio e direcionamento!!! A Voar é,sem dúvidas,uma escola que forma VERDADEIROS PROFISSIONAIS!!! Parabéns

  15. Leonardo Inácio de Freitas disse:

    Frigorífico NÂO! Casa de Carnes!!!!

    Abraços e sucesso!

  16. NAIARA disse:

    É necessário o inglês ?

    1. Érika Gimenes disse:

      Oi Naiara,
      Como você vai ver na matéria, as exigências variam de companhia aérea para companhia a aérea, mas, geralmente, pelo menos um nível intermediário de inglês é pedido.

  17. Anderson disse:

    Gostaria de saber valor curso comissário de borde?
    Horário e tempo do curso?

    Dias de aula é segunda a sexta?

    Valor prova anac?

    Tem inglês direcionado para esta aréa??

    Obrigado.

    1. Érika Gimenes disse:

      Oi Anderson,
      Para saber esses detalhes você tem que entrar em contato com as escolas, cada uma tem suas tarifas. O link da que entrevistamos está na matéria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *