Foto: Acervo pessoal Fred Jota
BalaioEuropa
15/03/2017 | 1 comentário

Viagem ao berço do futebol

Fred Jota já ajudou a escrever e organizar dois livros sobre futebol. Criou o projeto #1000Days1000Shirts no Instagram e passou 1.000 dias contando as histórias de 1.000 camisas de time que fazem parte da sua coleção. Relatou aqui no blog como foi visitar mais de 80 estádios no Brasil e no mundo. E tem um novo projeto com o mesmo título desse post, quer trazer para o papel a viagem que fez à Inglaterra para conhecer a trajetória de vários clubes do país. É sobre esse tour em quatro cidades que ele fala hoje.

Fred pisou em Londres pela primeira vez em 2005, mas o interesse pela cultura inglesa é tão antigo quanto a vontade de conhecer o mundo.

Eu fui pra Inglaterra com esse foco, de ir pra curtir quatro coisas que o país oferece e me causam essa identificação: futebol, história, rock e cerveja.”

Na primeira visita, viu o básico. Passeou pelos principais pontos turísticos e foi a apenas a um estádio. Voltou correndo em 2006, quando começou a fazer uma jornada por lugares históricos e pelos marcos musicais do país. Em 2011, completou esse percurso, além de fazer a trajetória mais esperada, pelos principais campos de futebol ingleses.

Na área da música, ele já esteve no bairro em que moravam os Stones; nas antigas casas de Eric Clapton, Fred Mercury e Amy Winehouse; no Hawley Arms, pub que era frequentado pela cantora; no Sticky Fingers, bar do ex-baixista dos Stones, Bill Wyman; numa Beatle Week, em Liverpool; no cemitério em que está enterrado o tio de John Lennon e fez a British Experience, na O2 Arena.

Fred em frente ao Sticky Fingers apontando pro letreiro em cima Blog Vem Por Aqui

Mas foi no mundo da bola que Fred se esbaldou. Foram 14 estádios no total. Cada um com uma característica singular. O comentarista da ESPN, Mário Marra, e um primo de Fred, o Roberto, foram companheiros de algumas visitas.

Mário, Roberto e Fred brindando com uma pint de cerveja Blog Vem Por Aqui

Os mais famosos

Fred voltou a Highbury para ver a fachada do antigo estádio do Arsenal, que ele conheceu pouco antes de ser derrubado, em 2005. O gramado agora é um jardim. O jornalista encontrou o dono de um dos apartamentos construídos onde ficavam as arquibancadas, que o deixou entrar para conhecer o espaço.

Fred em frente à antiga fachada do estádio pintada de vermelha e branco com escadaria na porta Blog Vem Por Aqui

Ele também foi a um jogo na nova arena do Arsenal, o Emirates Stadium e viu o time enfrentar a Udinese pela Champions League. A experiência impressionou.

Você entra num patamar diferente. Não só por ser a Champions League, mas por você estar numa cidade que ama o futebol, respira o futebol e faz de tudo pro futebol funcionar.”

São duas estações de metrô próximas ao estádio que atendem o público até depois da partida. Os torcedores do rival italiano seguiam no mesmo transporte que os ingleses sem nenhum problema e as lojas temáticas também ficavam abertas.

Fred guarda com carinho o programa do jogo, uma revista de 80 páginas, num papel especial, que é produzida em todos confrontos e pode ser comprada pelos fãs.

Em pé, na arquibancada, com o gramado e as outras arquibancadas no fundo Blog Vem Por Aqui

O jornalista ainda fez questão de voltar ao Emirates para fazer o tour pelo estádio.

Fred na entrada do túnel para o gramado Blog Vem Por Aqui

Ele adorou conhecer detalhes como a sala de reuniões dentro vestiário e descobrir costumes como a escolha do uniforme do dia (de manga longa ou curta), que é feita ali, pelo capitão do time, em acordo com o grupo.

Você vai vendo como a história vai se desenhando. Eles são muito apegados à tradição e isso é muito bacana para mim. Traz uma sensação de pertencimento.”

Outro estádio que impressionou Fred foi o Stamford Bridge, do Chelsea. Ele diz que a equipe sofre um certo preconceito pelo seu crescimento recente, mas garante que a ida até o campo é o verdadeiro pacote inglês.

O clube é centenário, o estádio é ainda mais velho que o Chelsea e, para completar, Mick Jagger, Keith Richards e Oscar Wilde moraram perto dali.

Fred, encostado na lateral do campo, com gramado e arquibancada ao fundo, na arquibancada está escrito Chelsea Blog Vem Por Aqui

Tanto que Fred repetiu a mesma dobradinha do Emirates, assistiu a um jogo e fez o tour.

Fred no estádio com um ingresso na mão direita, sorrindo e torcedores comendo e tomando cerveja numa mesa ao lado Blog Vem Por Aqui

Ele gostou do museu moderno, da arara giratória com as camisas históricas, da loja com peças retrô e ficou surpreso ao pesquisar a que comprou para a coleção. Era o uniforme do ano em que o time foi rebaixado e que, mesmo assim, continua à venda.

É uma questão de entender e saber a importância da história.”

O jornalista pagou £ 55 para assistir a um jogo da Premier League entre Chelsea e West Bromwich e £ 45 para ver Arsenal e Udinese pela Champions. E lembra:

Para fazer uma viagem futebolística, é interessante saber o ritmo da cidade, sua localização e a programação para aquele período. No dia do jogo do Chelsea, por exemplo, tinha também Arsenal e Liverpool.”

Nem por isso aconteceram problemas pela cidade. A estrutura e a organização evitam confusões e mantêm a mobilidade, mas é sempre bom saber que a gente vai topar com uma multidão ao embarcar no metrô…

A tecnologia dos estádios europeus sempre fascinou Fred. No Etihad, do Manchester City, por exemplo, os assentos das cadeiras são aquecidos.

Fred de touca, casaco e braços cruzados em frente ao estádio, de onde se vê dois letreiros, o mais baixo Etihad Stadium e acima Manchester City Football Club Blog Vem Por Aqui

No dia em que tentou conhecer o White Hart Lane, do Tottenham, não conseguiu entrar porque não havia visitação, mas passou na loja e nas áreas externas.

Fred em frente a um portão que acima tem uma placa dizendo "Welcome to Tottenham Hotspur Blog Vem Por Aqui

Agora, o espaço está sendo reformulado e deve receber jogos até da NFL. Uma reportagem do The Guardian, mostra um pouco da mudança.

Já em Wembley, ele chegou depois da transformação e, apesar do desejo de ter conhecido o estádio antigo, ficou de queixo caído com o que viu.

Fred de costas, diante de uma grande olhando o gramado e a arquibancada vermelha onde está escrito Wembley Blog Vem Por Aqui

Além de ser tecnologicamente inacreditável (o som não se expande dali), transborda história.”

A famosa trave do gol polêmico da Inglaterra na Copa de 66 está lá, com direito a narração, boneco de cera do goleiro alemão e tudo.

Os tradicionais e os pequenos notáveis

Nem todos os estádios que Fred visitou em 2011 pertencem a times do topo das tabelas ou que disputam a Champions League.

A ida ao City Ground, do Notthingham Forest, por exemplo, foi marcante. O clube, que hoje está na segunda divisão, já passeou pela terceira, mas é bicampeão europeu.

Quanto menor, mais atraente e mais raiz é.”

O jornalista interagia nas redes sociais com uma comunidade do Nottingham no Brasil e encontrou uma mineira que morava na Inglaterra que garantiu seu acesso ao campo.

No gramado do estádio segurando a camisa que comprou lá com a mochila do lado Blog Vem Por Aqui

Ele também visitou a sala da diretoria e viu os troféus da Champions.

Na sala da diretoria com as taças da Champions, uma de cada lado, ao fundo Blog Vem Por Aqui

O clube tem mais de 150 anos e uma loja com infraestrutura muito melhor que de grandes equipes da América do Sul.

Maior que a do Boca, por exemplo, bem maior.”

E não é só a loja que é muito maior.

Quando passeava pelo estádio, Fred conheceu o então preparador físico do Nottingham Forest, o brasileiro Alessandro Shoenmacker e fez uma entrevista com ele para o blog que mantém.

Alessandro embaixo do símbolo do time numa parede branca Blog Vem Por Aqui

Alessandro convidou o jornalista para ir ao centro de treinamentos e o susto foi ainda maior.

São catorze campos, c-a-t-o-r-z-e campos de treinamento!!! E dois deles ainda são climatizados.”

Outra curiosidade sobre o City Ground é que ele tem a segunda menor distância entre estádios do mundo e está separado do Meadow Lane, do Notts County, apenas por um rio.

Em frente ao rio com o City Ground ao fundo Blog Vem Por Aqui

Atrás de Fred, o City Ground

Como não tinha a camisa do County na coleção, e ele é o clube profissional mais antigo do mundo (de 1862), Fred atravessou a ponte e foi para lá. O time, que estava na terceira e hoje está na quarta divisão, também tem uma estrutura impressionante para padrões brasileiros. O próprio técnico da equipe na época, Martin Allen, fez questão de recepcioná-lo e a assessoria de imprensa entrevistou o jornalista para o site.

Mosaico com foto em cima de Fred apertando a mão do treinado e abaixo sendo entrevistado pelo assessor de imprensa Blog Vem Por Aqui

No acesso do vestiário ao gramado, uma linha do tempo chama atenção. Sven-Goran Eriksson (ex-técnico da seleção inglesa) foi diretor do clube e tem uma foto em sua homenagem por lá.

Fred lembra ainda que foi a camisa do Notts County que originou o uniforme da Juventus.

Fred no gramado, com uma arquibancada em preto e amarelo ao fundo Blog Vem Por Aqui

Ele diz que nesse estádio sentiu, pela primeira vez, como é a relação torcida/clube e a atmosfera do futebol inglês.

Nas lojas da maioria dos times, inclusive desse, de quarta divisão, é possível comprar DVDs de todas as temporadas. Mesmo daquelas em que a equipe foi mal, porque essa é a história do clube e os torcedores se interessam, querem acompanhar e consumir.

Outro estádio que Fred achou muito original foi o Craven Cottage, do Fulham.

Fred de perfil, na lateral do campo, com grama ao lado e arquibancada com cadeiras pretas e Fulham escrito de branco ao fundo Blog Vem Por Aqui

Mesmo com a obrigatoriedade de ter cadeiras numeradas, eles mantêm os assentos de madeira do século passado. Adotaram a modernidade, sem abandonar a memória.

O estádio do Fulham talvez seja a experiência mais inglesa porque não é um clube grande. É, literalmente, na beira do Tâmisa, ou seja, se derem um bico, a bola cai no rio. A fachada é de tijolo, bem antiga. Você desce do metrô dentro de um parque maravilhoso, a 20 minutos do estádio, que é pequenininho e aconchegante.”

Fred caminhando no parque que leva ao estádio Blog Vem Por Aqui

O Craven Cottage pertencia ao milionário Mohamed Al-Fayed, pai do namorado da princesa Diana, Dodi Al-Fahied. Como Mohamed era muito amigo de Michael Jackson, colocou uma estátua do cantor no estádio, que, hoje, não está mais lá.

Mohamed Al-Fayed em frente à estátua

Fred também foi até o antigo Upton Park, do West Ham, que foi demolido no ano passado. O estádio ficava numa região industrial, de imigrantes e que já foi um caldeirão de conflitos.

Fred em frente ao estádio com vidros na fachada e, acima, a inscrição West Ham United Blog Vem Por Aqui

Dos campeões mundias de 66, quatro eram do West Ham. Inclusive Geoff Hurst, único a marcar três gols numa final de Copa do Mundo, e Bobby Moore, capitão da equipe.

Mosaico com fotos de Geoff e Bobby lado a lado Blog Vem Por Aqui

Na volta do Upton, o jornalista aproveitou para dar uma paradinha na estação Leyton e conhecer o Matchroom Stadium, do Leyton Orient. O estádio fica no meio de dois prédios de apartamento. Quem mora por ali, assiste aos jogos de camarote.

Fred na beira do gramado com arquibancada em vermelho ao fundo e, no cantinho direito, um prédio Blog Vem Por Aqui

Olha um prédio ali no cantinho direito…

Para fechar a visita aos pequenos de Londres, Fred ainda esteve no Loftus Road, do Queens Park Rangers, para assistir a uma partida da liga inglesa entre o time da casa e o Rochdale.

Fred diante do prédio do com pessoas passando na rua Blog Vem Por Aqui

O campo fica perto dos estúdios da BBC.

Em Liverpool

Na terra dos Beatles, ele se divertiu conhecendo os gramados do Liverpool e do Everton, que são separados apenas por um parque.

O do time que tem o nome da cidade é o Anfield, que Fred achou maravilhoso e com ‘alma’.

Fred na escada de acesso ao campo, como se estivesse subindo para o vestiário Blog Vem Por Aqui

Ele faz questão de ressaltar que o clube é o maior campeão continental da Inglaterra e é pentacampeão da Champions.

O engraçado dessa história entre os dois rivais é que o Anfield foi inaugurado em 1884 pelo Everton, mas em 1892 eles acabaram abandonando o campo por conta do valor do aluguel e construíram o Goodison Park. Um dos donos do estádio resolveu, então, fundar o próprio clube e nasceu o Liverpool.

Fred em pé, na arquibancada com grama e outras arquibancadas ao fundo Blog Vem Por Aqui

O preferido

O número um de Fred, no entanto, está em Manchester. O Old Trafford, do Manchester United ganhou o coração do jornalista.

Fred na entrada do túnel com a nome do clube acima e o escudo repetido várias vezes do lado Blog Vem Por Aqui

Para ele, esse estádio reúne as melhores características dos campos ingleses. Tem uma dose cavalar de história, mais de 100 anos de existência, foi bombardeado na 2ª. Guerra e reconstruído. Conta com três andares de museu. Guarda uma coleção de camisas desde o século XIX com o nome do jogador que usou. É interativo, possui hologramas e outras ferramentas de troca com o público.

Relógio com a data em cima e a inscrição Munich embaixo e parado em 1h20 Blog Vem Por Aqui

Tem marcos importantes, como o relógio parado no horário da tragédia em Munique e um quadro com o nome e o país de todos os jogadores do clube que foram convocados para as seleções nacionais.

Não é à toa que o apelido é 'Teatro dos Sonhos'. É um estádio em que você respira história, a história do futebol.”

Fred passou cerca de oito horas conhecendo tudo.

Fred, pendurado no murinho de tijolo diante do banco de reservas onde está o escudo do time Blog Vem Por Aqui

Além de fazer o tour, visitar o museu e a loja, almoçou no restaurante e descobriu um xará. O diabinho que fica no meio do escudo do time se chama Fred, The Red.

Desenho do diabinho que é mascote do time Blog Vem Por Aqui

Cada cadeira do restaurante tem um número do elenco atual ou do elenco histórico. Como ele esteve lá num fim de semana de jogo, as TVs passavam confrontos famosos entre o Manchester e a equipe que o time enfrentaria.

Os pubs

Fred só não acompanhou ao vivo o histórico 8 x 2 do United sobre o Arsenal porque esteve no Old Trafford num sábado, quando já não havia ingressos para o jogo de domingo.

Fred com uma pint de cerveja no balcão de um pub Blog Vem Por Aqui

Se o mesmo acontecer com você, ele recomenda otimismo e diz que ver as partidas num dos pubs de torcedores também é uma experiência marcante.

Como os clubes são todos de bairro, eles têm um cenário ao redor deles que é espetacular.”

No Gunners, do Arsenal, por exemplo, há relíquias de jogadores importantes, como Thierry Henry.

Fachada do The Gunners com placa em preto com o nome do pub e dois vasos de flores de cada lado Blog Vem Por Aqui

Já o Café Brazil, na avenida do estádio do Chelsea, tem memorabilia de jogadores brasileiros que passaram pelo clube.

O mais famoso dos pubs associados a futebol, no entanto, é o Freemason´s Arms, onde teriam sido criadas as regras do futebol. Teriam porque há controvérsias sobre se o lugar é mesmo ali (como você pode ver nesse artigo), mas o fato é que em 1863 a Football Association (federação inglesa) se reuniu num pub da região, que, segundo os donos, era o Freemason´s, e estabeleceu normas para a prática do esporte.

Fred diante do Freemason´s Blog Vem Por Aqui

O que vem por aí

Apesar de tudo que já viu no país, Fred quer voltar para ir a Sheffield, berço do clube amador mais antigo do mundo. O Sheffield F.C existe desde 1857 e disputa a Copa da Inglaterra.

A cidade ainda tem outros dois times, o United e o Wednesday, que também vão ganhar uma visita futura do jornalista.

Um retorno a Londres também está previsto, assim também como a ida a outras cidades intimamente ligadas com o futebol, como Newcastle, Leeds e Birmingham.

Opinião

O preferido: Old Trafford, Manchester United – Manchester

O mais moderno: Wembley – Londres

O mais original: Craven Cottage, Fulhan – Londres

Por que o amor do inglês pelo futebol é maior que o do brasileiro?

Porque ele tem uma relação muito mais próxima, passional e de pertencimento.”

Mosaico com três fotos: a primeira a esquerda é de Fred diante do gramado e da arquibancada do Old TRafford, abaixo na arquibancada de Wembley e ao lado diante da entrada do Craven Cottage

O jornalista lamenta os estádios vazios e abandonados em tantas partes do Brasil e diz que, por aqui, infelizmente, há muitos fãs do esporte que só gostam de acompanhar os times nas vitórias. Já o inglês torce pelo clube com o qual se identifica (que é o clube do bairro ou, no máximo, da cidade), conhece a trajetória do seu clube, não tem duas equipes no coração, além de fazer questão de cumprir seu papel comparecendo mesmo nos menores campos.

Vem mais história do Fred por aí. Ele conta as maiores aventuras e os maiores sustos que viveu em viagens em breve.

Compartilhe

Comentários

  1. Roberto Amorim disse:

    Simplesmente Sensacional!!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *