Foto: Érika Gimenes
Na minhaAmérica
24/04/2017 | Nenhum comentário

Lugares para comer e beber em Miami e Orlando com direito a um plus


 

Fiz um longo post com boas opções para comer em Miami  quando estive por lá no ano passado. Na viagem deste ano, fui a outros lugares que merecem citação não só na cidade mais latina dos Estados Unidos, como em outros pontos da Flórida. Seguem as dicas:

Na estrada

No meio do caminho de Miami para Orlando há várias paradas muito bem sinalizadas com praças de alimentação. Fizemos um pit stop para o almoço, na ida, e para o café da manhã, na volta, e aproveitei para testar duas dicas do Vai Pra Disney.

No Earl of Sandwich tomei a famosa sopa de tomate (US$ 4,11) e comi um sanduíche de rosbife (US$ 8,49). A sopa tem um gostinho meio artificial, mas é uma delícia. O sanduíche, ainda melhor.

Sopa num potinho de papelão com colher dentro e, ao lado, sanduíche enrolado num papel prateado Blog Vem Por Aqui

No Perkins a experiência também foi ótima! Me senti transportada para um filme americano num restaurante com vários velhinhos almoçando às 11h30 e garçonetes circulando com seus bules de café.

Fiquei light no pedido principal (suco de laranja com biscuits por US$ 4,98) pra sobrar espaço para torta de maçã com caramelo (US$ 3,69) e sorvete de baunilha que estava de matar.

Torta de maçã com crumble (farofa doce) no topo e bola de sorvete de baunilha no canto Blog Vem Por Aqui

Em Cocoa Beach

O Coconuts On The Beach é um bar de praia perfeito para quem quer ver gente, comer e beber sem frescuras.

Pessoas nas mesas do bar com areia e mar ao fundo e ventiladores no teto Blog Vem por Aqui

O lugar estava cheio numa quarta-feira à tarde e ainda tinha música ao vivo.

Os preços são convidativos. Provamos um camarão com coco por US$ 13 que, apesar de não ter ficado muito bem na foto, estava gostosinho.

Camarões empanados com coco em volta de batatas fritas com um potinho com molho vermelho no centro do prato Blog Vem Por Aqui

Os nachos com carne custam US$ 12 e seguem a mesma lógica, o feinho que satisfaz.

Porção com nachos com acompanhamentos dispostos em cima (pico de galo, chili, azeitonas...) e uma bola de sour cream Blog Vem Por Aqui

A cerveja sai em média por US$ 6, mas vem em dose dupla na happy hour.

Latas compridas de cerveja com tampa de rosca das marcas Coors e Lite Blog Vem Por Aqui

O atendimento simpático e rápido e o ambiente descontraído garantiram a minha vontade de voltar correndo.

Em Orlando

Como contei no post sobre parques, evitávamos almoçar nos complexos porque, em geral, a comida é fraca e cara.

Abrimos uma exceção no Island of Adventure. A fome bateu mais cedo e queria conhecer o Mythos, restaurante eleito várias vezes o melhor dos parques temáticos pelo Theme Park Insider.

Fachada do Mythos simulando uma caverna com um globo dourado no topo e a inscrição Mythos Restaurant Blog Vem Por Aqui

Como a espera era de 40 minutos, mudamos os planos e fomos pro Confisco Grille que tem um pouco de tudo.

Provamos uma porção de asinhas por US$ 8,99 que era bem pequena, vinha com, exatamente, quatro. Ficamos apreensivos pelo tamanho dos pratos, mas a surpresa foi boa. Tanto o sanduíche que meu marido pediu (US$ 13,99), quanto o meu pad thai (US$ 16,99) estavam fartos e saborosos.

Prato com Pad Thai no centro com macarrão e camarões arrumados como uma pequena montanha e, no topo, brotos de bambú Blog Vem Por Aqui

Em Disney Springs elegemos o mexicano Frontera e gostamos muito do ambiente e da comida, apesar dos preços serem um pouco elevados.

Cardápio do Frontera com capa amarela e símbolo do restaurante no meio e, na frente, uma tulipa de chopp Blog Vem Por Aqui

As tostadas de frango com chipotle (US$ 13) e os tacos de carne (US$ 20) estavam tão bons quanto os que eu comi no México.

Travessa vertical com tostada de frango e abacates para decorar, ao lado de uma travessa redonda com ingredientes para o taco de carne, chili, molho de pimenta, guacamole e carne assada Blog Vem Por Aqui

Como o hotel em que nos hospedamos não tinha café da manhã, aproveitei para conhecer a IHop. A rede, especializada em panquecas, serve opções tipicamente americanas e, assim como outras casas, tem um cardápio de descontos para a terceira idade.

Três pratos na mesa, o primeiro com quatro metades de french toasts alinhados, o segundo com duas panquecas e o primeiro, que está na frente dos outros dois, com hash browns, duas tiras de bacon e dois ovos Blog Vem Por Aqui

Pedimos um combo (US$ 8,29) com panquecas tradicionais, ovos, bacon e hash browns (espécie de batata suíça sem recheio e em porções pequenas). Já que era pra dividir, acrescentei uma dupla de french toasts (US$ 6,69). Não gostei muito das torradas, que estavam moles e empapadas demais para mim. As batatinhas e as panquecas foram aprovadas.

O lugar que eu mais gostei de comer em Orlando foi, sem dúvida, a Longhorn, steakhouse com várias unidades. Demos de cara com uma quando já estávamos quase desfalecendo na saída de um outlet.

Fachada da LongHorn Steakhouse com parede central de pedra e letreiro com nome em cima Blog Vem Por Aqui

Um dos nossos entrevistados tinha falado sobre ela aqui e achei que valia a pena esperar 30 minutos por uma mesa.

A gente sabia que as porções são bem fartas, então, pedi apenas uma sopa de tomate (US$ 5,49) e belisquei um pouco do prato do meu marido.

Sopa de tomate numa tigela de louça branca com croutons dentro e colher prateada Blog Vem Por Aqui

Aliás, esse pedido merece um parêntese. Queria porque queria que ele provasse uma típica costela ao barbecue americana, até por isso, insisti na Longhorn. Quando vimos prime rib no cardápio, levando em conta que a tradução literal de rib é costela, pedimos sem raciocinar. Só no momento em que a carne chegou é que nos demos conta do engano. Prime rib é o filé de costela, o famoso bife ancho. A tal costelinha ao barbecue era a baby back ribs…que acabou ficando para uma próxima viagem.

Prato de louça branco com batata doce coberta com açúcar ao lado, dois potes de molho no meio e grande bife na lateral direita e no meio Blog Vem Por Aqui

Meio quilo de carne com uma caesar salad e um acompanhamento custou US$ 21. Elegemos uma batata doce assada com açúcar, manteiga e canela para acompanhar. Típica gordice que você só encontra nos Estados Unidos.

O pão quentinho da casa, que tem reposição infinita, tem que ser levado em conta na hora do pedido.

Pote redondo preto com manteiga e pão cortado ao lado Blog Vem Por Aqui

Em Miami

Já tinha provado o suculento hambúrguer do Shack Shake no ano passado e quando passei pelo Burguer Fi não esperava um concorrente tão parecido. As duas casas são bem semelhantes nos produtos e no estilo, mas eu preferi o Burguer Fi.

A máquina para refil de refrigerantes é da Coca-Cola, com um design único, criado pela Pininfarina, empresa italiana que faz as carrocerias de carros como Ferrari e Maserati.

Máquina prateada com visor com símbolos de vários refrigerantes no meio, dispenser da bebida abaixo e faixa luminosa em toda a parte esquerda Blog Vem Por Aqui

O sanduíche que o Mateus escolheu era imbatível, uma mistura de wagyu com brisket (peito cozido lentamente, cheio de temperos). Se quiser pedir o mesmo, eleja o The CEO (US$ 10,97).

Cebolas empanadas numa cestinha de papelão e, ao lado, sanduíche com o nome BurguerFi marcado no pão Blog Vem Por Aqui

Tanto numa rede, quanto na outra, os sanduíches não são muito grandes. Se você escolher um simples (com uma carne), pode ficar com fome. Vale a pena levar uma batata ou algum outro acompanhamento.

Mas sanduíche bom, mas booooom mesmo é o lobster roll do Luke’s Lobster. A casa, especializada nessa maravilha, fica no Brickell City Centre, o shopping chique da região financeira de Miami.

Fachada do Luke's Lobster com letreiro em preto em cima e parede branca com três partes de vidro, de cima embaixo, no meio Blog Vem Por Aqui

A versão tradicional (pão de cachorro-quente cortado no meio, cheio de manteiga e recheado com enormes pedaços de lagosta com um molho especial) sai a US$ 17. Há versões de roll com caranguejo (US$ 13) e camarão (US$ 9), além de um trio que vem com meia porção de cada um (US$ 19,50). O combo do sanduíche de lagosta com batata e salada de repolho custa US$ 20.

Sanduíche com grande pedaços de lagosta saindo do meio e potinho de plástico com salada de repolho atrás Blog Vem Por Aqui

Não, não é o preço de um McDonald’s, mas se você gosta de frutos do mar, TEM que provar isso pelo menos uma vez na vida e o do Luke’s é uma ótima opção.

Como nem tudo é comida, a bebida também é fundamental, aproveitamos para conhecer a Wynwood Brewing Company numa ida a esse bairro que eu amo.

O lugar é uma graça, fachada grafitada como manda a lei da vizinhança e, por dentro, bem informal.

Fachada da cervejaria grafitada com um senhor de barba e chapéu sentado numa mesinha no meio com um growler em cima da mesa, mulheres e outras figuras que não se pode distinguir ao certo em cima Blog Vem Por Aqui

O Tap Room fica aberto de 12h a 0h, de terça a sábado, e de 12h às 22h, domingo e segunda. Nos fins de semana é possível fazer o tour pela fábrica em dois horários (14h e 18h). Aliás, a visita vale muito a pena. Sai por US$ 10 com direito a uma pint e um copo de vidro da marca. As cervejas da casa variam entre US$ 6 e US$ 8.

Parte interna da cervejaria com fileiras de mesas e bancos redondos nos cantos e mesas maiores, comunitárias e retangulares, no meio. Ao fundo, balcão com pessoas sentadas e, na parede direita, o quadro com as opções de cerveja Blog Vem Por Aqui

Não achei nenhuma excepcional ou inesquecível, mas gostei bastante da Magic City (Pale Ale). A La Rubia (Blonde Ale) é uma boa para quem não está nessa onda de gourmetizar cervejas.

A reguinha de degustação (flight) com quatro provas custa US$ 11 e é sempre uma ótima alternativa para conhecer a produção da casa.

Tábua de madeira com quatro copos com cerveja, duas claras e duas bem escuras, na frente, papel indicado as cervejas na ordem em que estão Blog Vem Por Aqui

A cervejaria não serve comida durante a semana, mas na sexta há food trucks por lá.

Uma opção para quem quer comer ali perto é a Wynwood Diner.

Prédio com grafite todo colorido e placa com o nome da lanchonete em cima de um toldo preto Blog Vem Por Aqui

O cardápio é reduzido, há saladas, sanduíches e hambúrgueres. Provamos o Fat Boy (US$ 15 com bacon, ovo e queijo gruyére) e o The Diner (US$ 14 com cebolinha, pimenta e o mesmo queijo). Meu marido não curtiu o dele (o Fat Boy), já eu, gostei bastante do meu.

Sanduíche com pão tipo brioche, com batatas ao lado Blog Vem Por Aqui

Uma experiência

Um evento que não era gastronômico, mas que contava com opções (ainda que um pouco caras) para quem queria comer e beber bem, foi o Miami Open.

Portal de entrada laranja com letreiro grande com o nome do evento em cima com um homem embaixo Blog Vem por Aqui

Recomendo a qualquer um que tiver a oportunidade, assistir a um Grand Slam ou Master 1000 (os torneios mais importantes do tênis). Ainda que você não seja fã do esporte e que tenha que suportar algumas horas debaixo de um sol escaldante para ver uma partida, vale muito a pena.

Selfie de Érika e Mateus no meio da arquibancada com quadra ao fundo Blog Vem Por Aqui

Pagamos US$ 59 pela cadeira mais barata. Logo na chegada, demos a sorte de participar de uma ação da Lacoste com o Guga. Mais simpático e correspondendo a todas as expectativas, impossível.

Selfie de Guga e Érika sorrindo em frente a um painel com jacaré da Lacoste Blog Vem Por Aqui

Há várias tendas de patrocinadores espalhadas pelo evento, como Stella Artois, Moet & Chandon e Ben & Jerry’s. Também são montadas  barraquinhas de comida e restaurantes que oferecem desde frutos do mar a culinária mexicana. Fechando a lista, ainda havia food trucks.

Mosaico com foto de toten indicando os setores e o que há no evento e, ao lado, tenda da Moet & Chandon e da Stella Artois Blog Vem Por Aqui

Como um chopp de 473 ml custava US$ 9,90, paramos por aí. Quem não tem restrições orçamentárias ou acha que comida e bebida são dispensáveis, passa um dia tranquilo passeando, visitando lounges, lojinhas e curtindo o ambiente, independentemente da competição.

Selfie de Mateus e Érika segurando um chopp cada um com o símbolo da Stella Artolis ao fundo Blog Vem Por Aqui

Aproveitando o único chopp do dia…

Vimos uma semifinal com Nadal, num assento no topo do mundo, e sai com a marca até do sapato. Caprichando no filtro solar, bonés, chapéus e levando até uma toalhinha para fazer a cobertura, o programa fica mais confortável.

No aeroporto

Encerramos nossa turnê pela Flórida pegando o voo de volta no aeroporto de Fort Lauderdale. Como a gente não tinha almoçado, aproveitamos a dica da minha cunhada e fomos conhecer o Chilli’s.

Esse restaurante de inspiração mexicana também tem pratos diversificados (saladas, sopas e sanduíches). Encaramos uma porção mista (US$ 11,99) com asinha de frango, mini-hambúrguer e uns rolinhos fritos deliciosos com feijão, milho e sabe deus mais o quê…

Rolinhos fritos com asinhas do lado esquerdo, hambúrguer do direito e dois potes com molhos no meio Blog Vem Por Aqui

Ainda pedimos tacos de camarão (US$ 11,79) que vinham com arroz e feijão de acompanhamento.  Sim, sou dessas. Se vejo camarão no cardápio, TENHO que pedir.

Tacos com abacate no meio e, ao lado, arroz e um tigelinha com feijão Blog Vem Por Aqui

Nada gourmet, mas tudo bem gostoso. Bom pra quem quer um gostinho de comida de verdade.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *