Foto: CDLC
Na minhaEuropa
24/08/2017 | 2 comentários

Seis bares e boates em Barcelona

Quem acompanha o blog e já leu a minha história na capital catalã sabe que eu vivi uma vida de estudante em Barcelona. Com tudo que há de melhor e de pior nisso.

Se a grana era curta, a animação do grupo era grande e, quase toda quinta-feira, saíamos da última aula da semana direto para algum bar da cidade.

Mosaico com foto grande de Érika e colegas na sala de aula e fotos menores da turma em bares da cidade Blog Vem Por Aqui

Dificilmente eram lugares sofisticados, mas todos tinham uma particularidade ou um charme extra que faziam com que a gente voltasse.

De vez em quando o espírito festeiro estava a toda e optávamos por uma boate. No dia da nossa formatura, caprichamos, e escolhemos um espaço mais refinado.

Conheça alguns pontos em que eu bati cartão por lá.

Ovella Negra

Um dos mais baratos e ótimo para ver jogo.

Pessoas com faixas de clube diante de um telão, clientes sentados nas mesas e, numa delas, uma torre de chopp Blog Vem Por Aqui

O Ovella Negra, pertence a um grupo que tem várias casas em Barcelona. A megataverna, no Poble Nou, fica pertinho do prédio onde estudamos, e é imeeeeensa! Fácil pra acomodar uma turma que sempre com mais de 10 integrantes.

Galpão grande do bar com mesas grandes lotadas de clientes Blog Vem Por Aqui

A taverna fica num prédio industrial de 1908, com sinuca, totó, telões e palco para apresentações musicais.

Mesas totó na frente e de sinuca no fundo Blog Vem Por Aqui

O chopp grande custava € 2,60 e as batatas bravas, com o tradicional aioli, saiam por € 3.

Montagem com duas fotos lado a lado, numa um canecão de chopp e na outra, batatas bravas com molho Blog Vem Por Aqui

Não é um espaço glamouroso e dizem que a filial das Ramblas é mais animada. Em 2012 era um dos únicos pontos da cidade que não aceitava cartão. Apesar de qualquer pesar, sempre nos divertimos muito.

Bosc de Les Fades

O Bosc é uma experiência meio psicodélica. Fica escondido num bequinho ao lado do Museu de Cera, kitsch o bastante para exigir um bar à altura.

Sala do bar com quadro antigo em cima de dama antiga em cima de uma lareira, com mesa na frente, ventríloquo ao lado e manequim vestido de branco como se levitasse no teto Blog Vem Por Aqui

Tem árvores, uma queda d’água estilo cachoeira e peças que ajudam a reproduzir o clima de eu vi duendes.

Boneca de plástico com cabelo bem comprido e coroa de folha, tipo uma fada, no meio de uma árvore Blog Vem Por Aqui

Tem boa variedade de drinks, aperitivos gostosinhos e funciona de 10h à 01h.

Copo de cerveja à frente das mesas do bar com alguns clientes e folhagem no teto Blog Vem Por Aqui

El Col.leccionista

O que não faltam nas ruas do bairro de Gràcia são portinhas que escondem bares pequenos, animados e com música muito boa. O El Col.leccionista é um deles.

Pessoas em frente ao palco onde um homem canta e toca guitarra Blog Vem Por Aqui

De quinta a sábado há bandas diferentes se apresentando no palco. A que ouvimos no dia em que visitamos, tocava um jazz de excelente qualidade.

A entrada custava € 5 e dava direito a uma bebida. A programação está sempre no Facebook do bar.

Músicos no palco, na frente uma tecladista e uma moça cantando e tocando violão, atrás, um homem no violão e outro na bateria Blog Vem Por Aqui

Como a área é residencial, os shows começam cedo. A banda iniciou os trabalhos às 22h e, pouco depois da meia-noite, o ‘expediente’ acabou.

Na saída, um pedido bem-humorado de silêncio foi prontamente atendido.

Érika e amigos fazendo sinal de silêncio com dedo na boca em frente ao bar Blog Vem Por Aqui

La Bombeta

Esse está na listinha da Adriana Setti, da rota das tapas de Barceloneta, fazendo companhia ao meu bar de estimação, o Jai-Ca.

Cliente nas mesas laterais do La Bombeta Blog Vem Por Aqui

O La Bombeta é dono de um dos bolinhos mais famosos da cidade, a bomba, que parece um croquete gigante e vem com um molho picante insuperável.

Pedimos uns chipirones (lulas bebês) para abrir o apetite.

Prato com chipirones e limão cortado Blog Vem Por Aqui

E nos divertimos com o aviso dos donos da casa.

Balcão do bar com lustres brancos e barris em cima de uma inscrição que diz: No Hablamos Ingles Pero Hacemos Unas Bombas Cojonudas Blog Vem Por Aqui

Sala Apolo

Sabe como é, né? Quem passou dos 30 não tem mais aquele ânimo para certas boates. Esses ambientes de gente ‘bonita’, onde todo mundo desfila mais preocupado em não amassar a roupa do que em dançar, para mim, não valem a saída.

Por isso acabávamos sempre no mesmo lugar e cada vez que íamos à Apolo adorávamos.

Eles têm noites temáticas superdivertidas, como a Cupcake (com os hits dos anos 70, 80 e 90) e a Nasty Mondays (bem rock’n’roll).

Pessoas no palco da boate e público abaixo Blog Vem Por Aqui

As entradas variavam de € 5 a € 12, dependendo das atrações, mas sempre com direito a uma bebida. Pelo que vi no site, os preços, agora, ficam na faixa de € 12 a € 16 e a bebida nem sempre é cortesia.

Pena mesmo foi perderem a melhor de todas as festas, a Anti-Karaoke, comandada por uma atriz famosa na cena underground da cidade, a americana Rachel Arieff.

Homem com chapéu de viking estilizado com chifres grandes e boá amarelo no palco e nome da festa atrás, público à frente Blog Vem Por Aqui

Essa que era a balada mais despretensiosa e divertida da cidade, tinha migrado para a Fábrica Moritz em 2016, mas não consegui descobrir se voltou a acontecer e onde está este ano.

Qualquer um que chegasse cedo e colocasse o nome na lista, podia se apresentar no palco. E dava de tudo, de gente fantasiada, até os mortais mais comuns ou alguém que ficava à vontade cantando de cueca. Minha búlgara preferida, a Niya, já arrasou por lá.

Mosaico com três fotos lado a lado e uma abaixo. Nas fotos lado a lado mulher fantasiada, homem de cueca e mulher e homem dançando em cima da caixa de som e, abaixo, público diante do palco com o nome da festa no fundo Blog Vem Por Aqui

Vale acompanhar as redes sociais do evento e aproveitar quando reaparecer.

CDLC

Se festas de formatura privadas não são comuns nem nas graduações espanholas, não seria num máster que elas iriam se popularizar.

Quando minha turma recebeu o diploma, seguiu a tradição local e reservou uma mesa enorme numa boate, para o jantar.

Queríamos uma terraza perto da praia. O Carpe Diem Lounge Club, conhecido como CDLC, ganhou a votação.

Entrada com lustres pequenos em estilo oriental sobre hastes vermelhas e, atrás, letreiro com as iniciais da boate Blog Vem Por Aqui

Os espanhóis não estavam tão animados com a escolha. Apesar de considerarem o clube bacana, achavam que era muito turístico, assim como a Opium e outras boates de Barceloneta.

Nós, que éramos residentes com alma de turistas, adoramos. Fizemos quase um book de 15 anos antes de entrar…

Érika e amigas sentadas na mureta diante da boate, em frente à praia Blog Vem Por Aqui

O lugar é lindo. Turístico, mas categoria A, com muito estrangeiro endinheirado.

Interior da casa com lustres grandes e mesas cheias com pessoas arrumadas Blog Vem Por Aqui

Os preços restringem a frequência. Mesmo reservando uma mesa para mais de 20 pessoas, pagamos cerca de € 50 por cabeça. Verdade que o jantar e uma bebida estavam incluídos.

Em 2011, quem ia só pra dançar gastava € 20 de entrada e € 6 na long neck mais simples.

O sacrifício compensa. Há sempre uma performance ou show no palco. A vista da praia e o atendimento fora da curva espanhola fazem o cliente se sentir especial.

Pessoas na boate dançando Blog Vem Por Aqui

Para mais dicas de bares e restaurantes, clique nos posts abaixo.

Compartilhe

Comentários

  1. Marlyana Tavares de Almeida disse:

    Adorei Érika. As fotos, o relato, tudo. Parabéns.

    1. Érika Gimenes disse:

      Obrigada! Vindo de quem entende é uma honra 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *