djedj / Pixabay
BeabáEuropa
17/07/2019 | Nenhum comentário

Pragmatismo e variedade na Holanda

O nome oficial é Reino dos Países Baixos e são 12 províncias reunidas, incluindo as duas chamadas de Holanda, a do Norte e a do Sul, mas, como detestam fazer tempestade em copo d’água, os holandeses raramente vão perder tempo esclarecendo essa confusão.

Pode chamar de Holanda e estamos entendidos.

Mentes inocentes vão pensar em moinhos de vento, tamancos, bicicletas e tulipas quando falarmos do país. Os mais maliciosos querem logo citar sexo, drogas e, talvez, um pouco de futebol no lugar do rock’n’roll.

A verdade é que a Holanda dificilmente é vista como transgressora por quem visita ou mora por lá. A ordem e a organização são extremas, tanto que eles têm um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano do mundo.

A capital Amsterdã e seus canais convidam a passeios por pontos turísticos culturais como o Museu Van Gogh e a casa de Anne Frank.

Roterdã e Haia ocupam os postos de segunda e terceira maiores cidades, depois da capital. Aliás, capital só no nome, porque a sede do governo fica mesmo em Haia. E também é lá, no museu Mauristshuis, que está um dos quadros holandeses mais famosos, o Moça Com o Brinco de Pérola, de Vermeer.

Entre março e maio é época de ir até o Keukenhof, parque das tulipas, que só abre durante a florada e produz algumas das imagens mais bonitas do país.

Tulipas amarelas no meio de um gramado verde com flores azuis abaixo

Você acha que os famosos tamanquinhos de madeira são só souvenir? Então visite Marken ou Volendam e veja com os seus próprios olhos os moradores com trajes típicos e seus tamancos.

Alkmaar é famosa pelo seu Museu do Queijo, um dos produtos holandeses mais conhecidos.

Ao contrário do que diz o senso popular, as drogas são proibidas por lá. O que é liberado é apenas o uso da maconha, em locais restritos chamados de cafés, que são os únicos que têm autorização de comercializar a substância, sem fazer propagandas, em pequenas quantidades (menos de cinco gramas por pessoa), e nunca para menores de 18 anos.

E sim, eles legalizaram a prostituição. O bairro da Luz Vermelha de Amsterdã, e suas mulheres se exibindo em vitrines, costuma ser visto mais como uma atração exótica do que erótica pelos turistas.

Ruas com iluminação vermelha e pessoas passando

Muito barulho por nada, diriam os holandeses…

Cultura

Os holandeses são o povo mais alto do mundo e vivem no país mais populoso da União Europeia. Ou seja, até por uma convivência espacialmente possível, já teriam que ter uma habilidade social elevada.

Desde muito cedo, em 1602, com a Companhia Holandesa das Índias Orientais (considerada por muitos a primeira multinacional do mundo), eles iniciaram um grande intercâmbio comercial com outros continentes e conviveram com povos muito diferentes.

Além disso, como o país é muito plano, e cerca de um terço do território está abaixo do nível do mar, os holandeses tiveram que inventar sistemas de contenção e lidar com enchentes e destruições o tempo topo.

Esses dois fatores reunidos podem explicar o perfil pragmático e tolerante da população.

A Holanda é conhecida mundialmente por pintores como Rembrandt, Van Gogh e Mondriann. A cidade com o maior número de museus é Leiden, que tem 13.

O futebol é um dos esportes mais queridos, mas a patinação no gelo, o hóquei e o tênis também são muito praticados no país.

Gastronomia

Além dos queijos Gouda, Edam e Leyden, os holandeses consomem grandes quantidades de batata.

Loja de queijos com queijos grandes cortados e outros menores inteiros em cestas

Frutos do mar e peixes são muito populares, principalmente o arenque cru, na salmoura.

O kibbeling é um petisco bem tradicional, que nada mais é do que bacalhau empanado com uma maionese temperada acompanhando. O croquete de carne é outra iguaria tipicamente holandesa.

Já o stroopwafel é um biscoito tipo waffle, recheado com caramelo, em formato redondo, perfeito para ser usado como ‘tampa’ do café. Assim, o vapor da bebida amolece a massa e derrete o recheio.

Dois biscoitos com caramelo saindo do meio

Duas cervejas nacionais, a Amstel e a Heineken, se tornaram populares no mundo todo.

Compras

A Kalverstraat é uma rua no centro de Amsterdã que é fechada para carros e tem opções bem variadas. Já a PC Hooftstraat é o lugar para quem quer as marcas mais caras.

Pessoas andando na Kalverstraat

A Bijenkorf é uma das lojas de departamentos holandesas mais conhecidas, com marcas mais caras e uma proposta bem diferente da fast-fashion C&A, que tem a rodo por aqui, mas é holandesa.

A 9 straatjes (ou ‘nove ruaszinhas’) é um conjunto de ruas no bairro Jordaan (um dos mais descolados da capital) com lojas de design, antiguidades e brechós.

Dicas

Quer conhecer uma cidade curiosa? Visite Texel, que tem mais ovelhas que pessoas.

Para tirar fotos sozinho no famoso letreiro que diz ‘I Love Amsterdam’, só mesmo indo de madrugada. No começo da manhã a concorrência é menor, mas já existe. Ao longo do dia a multidão só vai aumentando.

Letreiro ao fundo de um lago com bonecos tipo Mickey e Minnie na frente e museu ao fundo

O espelho d’água em frente ao Rijksmuseum vira pista de patinação no inverno.

A Delft Blue é uma loja de cerâmicas que faz de tudo (moinhos, tamancos, vasos, pratos, tulipas…) em azul e branco.

Paredes cheias de pratos azuis e brancos

Informações Úteis

Clima: Temperado marítimo ou temperado oceânico

Território: 41.528 km²

Idioma: Holandês e frísio (apenas na província da Frísia)

Fuso horário: (UTC +1 e +2)

População: 17 milhões

Código telefônico: + 31

Moeda: Euro (‎€)

Tomada: Plugue tipo C (lista com imagens)

* Texto produzido originalmente para o site da Central do Estudante, agência de intercâmbios que contratou o VPA para a produção desse conteúdo.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *