Foto: Mateus Castanha
Na minhaEuropa
24/11/2017 | 2 comentários

Tudo sobre a Toscana

Para quem ama desbravar o mundo, a melhor viagem é sempre a próxima, mas até que ela chegue, a gente vai sonhando com aquelas que deixaram lembranças profundas e que podem ser recordadas como se tivessem acontecido ontem.

Demorei muito a escrever sobre a Toscana, onde estive em 2015, porque gostei tanto do que vivi por lá que achava difícil condensar as experiências num texto informativo que traduzisse a beleza da região.

Vista a área da propriedade da vinícola Castello di Ama

Todo esplendor da Toscana na propriedade da vinícola Castello di Ama

‘Comer Beber Viver’ é título de filme chinês, mas poderia ser o lema de toda a Itália. Celebrar a vida em volta de uma mesa não é só a tradução do espírito gregário e festivo dos italianos, é também uma forma de honrar a produção artesanal.

A Toscana é um símbolo desse tipo de celebração, desse tipo de produção, é o berço do Renascimento, além de ter paisagens deslumbrantes… E se outras partes do país guardam características parecidas, nenhuma foi tão exibida nas telas de cinema.

Mosaico com os cartazes dos filmes Gladiador e A Vida é Bela à esquerda, Sob o Sol da Toscana no meio e Beleza Roubada e Cartas para Julieta à Direita Blog Vem Por Aqui

Com tanta divulgação, não demorou para que o turismo de massa invadisse a Toscana. Há muita atividade fake (sob medida para enganar visitantes), muita fila (dependendo da atração e da época do ano) e, mesmo assim, ainda é fácil encontrar lugares quase desertos, vilarejos pouco habitados e produtores de queijos e vinhos de altíssima qualidade que são desconhecidos por aqui simplesmente porque não têm interesse ou capacidade de aumentar a produção.

Onde ir

São 10 províncias com 287 comunas. Por isso é possível montar uma infinidade de roteiros. O ponto central é Florença. Quem vem de outras partes da Europa pode descer no aeroporto de Peretola ou na estação de trem de Santa Maria Novella. Se o seu voo chegar em Roma dá para ir de ônibus até a capital da Toscana.

O Melhores Destinos tem um post ótimo sobre essas rotas e como ir do aeroporto ou da estação até o centro.

Centro histórico de Florença Blog Vem Por Aqui

Para definir o melhor para mim, segui o método que adoto em todos os meus passeios. Li dezenas de blogs e sites, avaliei os posts e as matérias que tinham um perfil parecido com o meu e mesclei as dicas.

No fim, separei 10 dos 15 dias que teria na Europa para a Toscana e resolvi ir trocando de hospedagem entre algumas cidades porque achei mais prudente, já que as distâncias eram pequenas e as degustações de vinho seriam muitas.

Barris de vinho do Castello di Ama

Com a ajuda do Google Maps você vai ver quais são os pontos mais próximos entre si e vai entender que, mesmo usando Florença como base, nada fica a uma distância de mais de duas horas.

Consegui um voo da Vueling de ida e volta entre Barcelona e Florença por menos de US$ 164 por pessoa. Eu e o marido pegamos o carro (alugado pela internet) no aeroporto italiano e fomos logo para a parte mais distante que visitaríamos, Montepulciano.

Depois nos hospedamos em Montalcino, Cortona, San Gimignano, Volterra e Lucca, visitando também Pienza, Siena, Panzano in Chianti, Gaiole in Chianti e Pisa.

Erika e Mateus no topo da torre de Pisa Blog Vem Por Aqui

No topo da famosa torre

Em média, ficávamos um dia em cada hotel, em San Gimignano foram dois. Na volta, devolvemos o carro e curtimos Florença por três dias.

Passei por lá em outubro e não recomendaria uma visita no inverno (a partir de novembro) porque uma das delícias da Toscana é andar a pé nas cidadezinhas e estar ao ar livre.

Além disso, algumas lojas e hotéis ficam fechados. Na minha pesquisa para atualizar os valores dos lugares que visitei, encontrei estabelecimentos com reservas bloqueadas porque estão de férias nesse período.

Outro ponto a ser levado em consideração é que essa é mesmo uma área para ser percorrida de carro. Claro que dá para circular entre uma cidade principal e outra de trem ou de ônibus, mas os horários são limitados e, nos períodos mais frios, algumas linhas não circulam.

Onde se hospedar

Propriedades rurais, hotéis ultrassofisticados, hostels, B&Bs, mesmo em cidades menores é possível encontrar de tudo na Toscana.

Na capital escolhemos um AirBnb. Além de ser mais barato que os hotéis, a localização do apartamento era excelente, em frente ao Duomo.

Duomo visto de frente da janela lateral do apartamento Blog Vem Por Aqui

“Da janela lateral, do quarto de dormir…”

O apê era pequeno e a limpeza deixou um pouco a desejar, mas como era um lugar só para dormir (porque a gente quase não parava), resolveu a equação. O quarto e sala saiu a US$ 57 por dia, já com as taxas cobradas pelo site.

Nas vilas fiz pesquisas pelo Booking. Reduzi a busca aos estabelecimentos com nota maior que 8 nas avaliações e tivemos experiências variadas.

Antes de fazer uma reserva pela Toscana é importante lembrar que a região é composta por antigos vilarejos medievais, que ficam dentro de muralhas e têm muitas áreas onde o acesso de carro é proibido.

Rua estreita com calçamento de pedra em Montepulciano Blog Vem Por Aqui

As ruas são de pedra e podem ser íngremes, o que dificulta o deslocamento com as malas.

Parte dos hotéis ocupa prédios históricos, sem elevador, e tem uma quantidade mínima de funcionários, ou seja, você mesmo vai ter que subir as escadas com sua bagagem.

Escadaria de hotel em Lucca Blog Vem Por Aqui

O café da manhã, muitas vezes, é cobrado a parte. Preste atenção nas descrições e encaminhe suas perguntas se algum ponto não estiver claro. A distância do estacionamento mais próximo é algo, por exemplo, que eu sempre questionava.

Em Montepulciano escolhemos o Albergo Duomo, um hotel pequenininho, simples, no começo da Via de San Donato.

Porta de vidro com o nome do hotel e parede de pedra com o nome em letras de metal Blog Vem Por Aqui

O terraço é bem agradável, o estacionamento é relativamente perto e tem elevador.

Terraço com mesas com tampo de mármore e cadeiras de vime tipo sofá e muitas plantas na lateral Blog Vem Por Aqui

O dono conhecia o Brasil e foi bastante simpático. Ele nos deu a melhor indicação de restaurante de toda a viagem.

A diária custava € 80, com o parking incluído. O café da manhã saia a € 5. Não consegui atualizar os preços porque as reservas estão suspensas no momento, mas, se seguir a lógica dos outros, não deve ter subido muito.

Quarto do hotel com cama feita e bandeja de café em cima, janela na lateral com cortina, mesinha com TV antiga à frente e mesa com cadeira do lado e espelho Blog Vem Por Aqui

Pequeno, mas aconchegante

Assim como todos os hotéis em que ficamos, eles emprestavam taças e utensílios para os hóspedes tomarem seus próprios vinhos no quarto ou no terraço.

Taças de vinho com pedaço de queijo e garrafa de vinho no meio, em cima da mesa com vista para a parede de pedra Blog Vem Por Aqui

Quando chegamos à cidade, estavam começando as gravações de uma série famosa, com Dustin Hoffman, sobre a família mais importante da Toscana, os Medici.

Figurantes fantasiados circulavam pelas ruas e o clima era de festa.

Mosaico com imagens das ruas com caminhões de filmagem, pessoas vestidas com roupas antigas montadas à cavalo, prédio com bandeiras antigas e cavalos parados Blog Vem Por Aqui

O segundo lugar em que dormimos foi o Residenza Palazzo Saloni, em Montalcino.

Prédio do hotel na esquina de uma rua Blog Vem Por Aqui

Como já sabia que o prédio não tinha elevador, pedi para ficar no térreo. A recepção era meio complicada. Quando chegamos, estava vazia. Tivemos que esperar uns bons minutos até que alguém aparecesse.

Recepção vazia com escada do lado Blog Vem Por Aqui

O estacionamento é amplo e fica colado no hotel. Se tiver dúvida sobre a entrada, pergunte, ou você vai parar no meio de uma viela estreita, de onde só um motorista com muita perícia sairá ileso. O apartamento tinha cozinha e uma sala grande.

Sala com sofá e cortinas de estampa flora, mesa com quatro cadeiras no canto e bancada na parede em frente ao sofá com fogão e armários de cozinhas blog Vem Por Aqui

O quarto também era bem amplo e confortável.

Porta aberta mostrando o quarto com cortina florida, cama grande e móvel com TV Blog Vem Por Aqui

O café era servido no restaurante anexo e já estava incluído na diária que, hoje, sai por € 89.

De lá, partimos para Cortona, para viver o momento ‘eu mereço’ da viagem. Não que fosse um cinco estrelas, uma villa exclusiva ou algo de outro planeta. O Le Terre Dei Cavalieri é um agriturismo, mas tem pequenos detalhes que fazem a diferença.

Propriedade cercada por grama verde sob o céu azul Blog Vem Por Aqui

Agriturismos são propriedades rurais que oferecem hospedagem e têm produções próprias de azeites, queijos, vinhos e/ou artesanato.

Poço em frente ao campo verde e ao lado de uma estrada Blog Vem Por Aqui

Pena que o tempo nublado não convidasse para a piscina.

Propriedade com piscina clara e com uma pequena escada entrando para a água, em frente, um jardim Blog Vem Por Aqui

A banheira antiga, o quarto amplo e os produtos deliciosos do Erbário Toscano, garantiram o relaxamento necessário.

Mosaico com foto do banheiro com a banheira branca de louça, produtos do Erbário em cima da pia e quarto abaixo com cama, poltrona branca, armário com espelho grande e escada Blog Vem Por Aqui

Passear pelo campo.

Plantação de trigo a frente da propriedade Blog Vem Por Aqui

Descansar na sala de convivência.

Sala de convivência com sofá xadrez e outros vermelhos diante do fogão a lenha/lareira Blog Vem Por Aqui

O melhor, ali, é ver o tempo passar devagar.

O café delicioso está incluído na diária de € 128 e cada um desses pequenos atrativos contribuem para a nota 9,5 no Booking.

Mesa de café da manhã cheia de opções Blog Vem Por Aqui

Em San Gimignano o luxo foi, novamente, a localização.

O Bel Soggiorno fica perto da Porta de San Giovani, uma das entradas da parte amuralhada da cidade. A distância para o estacionamento público mais próximo não assusta, mesmo com as malas, e o prédio tem elevador.

Fachada do hotel em pedra com porta de vidro e janelas compridas de vidro Blog Vem Por Aqui

A diária de € 88 inclui o café, servido no restaurante que tem uma vista linda para as montanhas.

O quarto era pequeno, mas aconchegante, e a janela para rua também distraía a visão.

Vista da janela para o centro com pessoas andando nas ruas Blog Vem Por Aqui

Em Volterra peguei uma dica ótima (e barata) no blog mais especializado sobre a região, o Passeios na Toscana, e me hospedei num hostel diferente de todos que eu já conheci.

O Chiostro delle Monache é um antigo mosteiro, com um pátio maravilhoso e afrescos no refeitório.

Pátio do hostel com prédios em volta e gramado verde com palmeiras no meio Blog Vem Por Aqui

O local fica um pouco afastado do centro (de 15 a 20 minutos de caminhada), mas inclui estacionamento e café da manhã em quarto para casal com banheiro privativo por € 60.

Quarto com cama grande com bandeja com café e toalhas em cima, mesinha com cadeira e janela na lateral Blog Vem Por Aqui

O último hotel antes do apartamento de Florença foi B&B Il Seminário, em Lucca. Outra vez, pedimos um quarto no térreo para driblar a falta de elevador e ganhamos um apartamento bem grande (se quiser o mesmo, peça pelo Anfiteatro), que abrigaria até quatro pessoas, já que tinha um sofá-cama.

Quarto com cama e sofá ao lado, tento de madeira e no canto direito banheiro grande Blog Vem POr Aqui

O valor da diária com o café e o estacionamento pode sair a até € 65 dependo da época do ano.

Salão do café com mesinhas com comidas em cima e portas com cortinas vermelhas que dão para o pátio

A recepcionista que nos atendeu, a Irene, é brasileira e foi adotada por italianos. Ela não fala português, mas fica muito feliz em saber que os hóspedes são seus conterrâneos.

Comer e beber

Nas viagens para paraísos gastronômicos, como a Itália, sempre aproveito para fazer uma das refeições do dia de maneira ‘caseira’. Compro ingredientes maravilhosos das padarias e delicatesses locais e monto um lanche no hotel ou um piquenique num lugar agradável.

Mas, para quem ama carboidratos como eu, visitar restaurantes e conhecer a ‘autêntica’ cozinha italiana é atividade obrigatória.

Montei uma listinha com informações que coletei na minha pesquisa por blogs e sites e tinha opções em todas as cidades. Mesmo assim, perguntamos ao dono do hotel em que nos hospedamos em Montepulciano onde ele costumava jantar e recebemos a melhor dica espontânea.

Fizemos uma reserva na Osteria Acquacheta, um restaurante pequeno, sem frescuras, com ingredientes locais, como deve ser uma verdadeira osteria.

Salão do restaurante com mesas quase coladas com papel como jogo americano e talheres em cima Blog Vem Por Aqui

Por lá, as mesas são compartilhadas, o jogo americano é um pedaço de papel, o cardápio é escrito no mesmo papel e só há um copo para o vinho e a água. Quem quiser pode levar sua garrafa (e até a taça), pagando a rolha de € 1,50 por pessoa

Copo de vinho, prato com frios e cesta de pães Blog Vem Por Aqui

Provei um dos melhores e mais despretensiosos pratos de toda a vida. Um nhoque de abóbora com molho de tomate e parmesão que estava divino, desmanchando na boca.

Prato com nhoque e garfo apoiado, copo de vinho na frente Blog Vem Por Aqui

A conta, com uma entrada, dois pratos principais, uma sobremesa, vin santo, água e um litro de vinho da casa, saiu a € 42.

Aliás, o vin santo é uma tradição local que pensei que não me agradaria. Não sou muito chegada em vinhos de sobremesa adocicados e achava que não curtia os biscottis. Pois o cantuccini (tipo de biscoito bem durinho com pedaços de nozes) molhado no vin santo ficou uma delícia!

Copo com vin santo e biscoitos em volta, desfocados Blog Vem Por Aqui

Enquanto estávamos em Montalcino demos uma esticada num lugar inspirador.

Frente da propriedade com portas verdes vista de uma das mesas do pátio Blog Vem Por Aqui

O Podere Il Casale é uma fazenda produtora de pecorinos com restaurante e vista privilegiada para os campos onde foram filmadas cenas do Gladiador.

Terreno amplo com pinheiros e gramado verde Blog Vem Por Aqui

Eles oferecem uma visita guiada pela área de produção.

Dona da propriedade com queijo na mão explicando preparação e conserva Blog Vem Por Aqui

O passeio termina com a degustação de oito tipos de queijos, acompanhados de pão e vinho e, na época, custava € 20 por pessoa.

Tábua de madeira com queijos, mel e geleia Blog Vem Por Aqui

A nossa foi orientada por uma das proprietárias, a Sandra, que é suíça e contou que eles costumam receber campistas que trocam trabalho por hospedagem. Um brasileiro já tinha ido para lá nesse esquema e atuou na cozinha da casa.

Barraca de camping no meio do terreno, debaixo de uma árvore Blog Vem Por Aqui

Como a fazenda aceita poucos visitantes por vez, é preciso reservar com antecedência.

Pátio do Podere com toldo e mesas embaixo Blog Vem Por Aqui

O restaurante do agriturismo em que nos hospedamos, o Le Terre dei Cavalieri, em Cortona, também vale a visita. Como fica a 15 minutos do centro da cidade, é uma opção para quem quer almoçar ou jantar num lugar diferente.

Restaurante com paredes de tijolos de pedra e mesas com cadeiras de madeira, toalhas brancas com detalhe em vinho Blog Vem Por Aqui

Os frios e os arancinis (bolinhos de risoto) da entrada estavam perfeitos, assim como as massas.

Prato com frios, queijos e bolinhos Blog Vem Por Aqui

Em San Gimignano a dica já é universal. Mesmo quem não vai passar muito tempo na cidade, corre para a Piazza della Cisterna para provar o sorvete da Dondoli.

Frente da sorveteria com parede de pedra e placa com nome em cima da porta Blog Vem Por Aqui

O criador da sorveteria, que emprestou o sobrenome à casa, não é bobo. Além de inventar sorvetes com ingredientes inusitados (e de alta qualidade), participou várias vezes (e abocanhou títulos) da Copa do Mundo de Sorveteria. Por isso, anuncia o seu produto, até hoje, como o “Melhor Sorvete do Mundo”.

Sergio segurando vasilha de metal com sorvete marrom Blog Vem Por Aqui

Sergio Dondoli e uma de suas criações

A dica de uma das brasileiras que mais entende de turismo na Toscana, a guia e blogueira, Deyse Ribeiro (criadora do Passeios na Toscana), é para que a gente não se limite aos sabores tradicionais. Segundo ela, misturas nada previsíveis, como gorgonzola com nozes ou creme de açafrão com pinoli, é que fazem valer a visita.

Mosaico com os sorvetes de açafrão e gorgonzola lado a lado

Confesso que não me dei bem nessa estratégia. Provei o Champelmo, de pomelo com espumante, e d-e-t-e-s-t-e-i. Muito provavelmente porque eu não gosto de pomelo, toranja e afins e insisti em provar (é, o ser humano tem dessas coisas…).

Sorvete de pomelo com espumante Blog Vem Por Aqui

Já o básico, de pistache, supriu todas as frustrações e expectativas. Em 2015, a casquinha custava € 2,50.

Meu conselho para quem está hospedado na cidade é pular as filas durante o dia e aparecer por lá quase na hora de fechar, entre 17h30 e 18h.

Fila em frente à sorveteria Blog Vem Por Aqui

Vá mais tarde e evite essa multidão

O dia em que gastamos mais num restaurante foi na visita que fizemos a um lugar quase folclórico de Panzano in Chianti. Sim, é um programa tipicamente de turista, mas eu achei muito divertido e adorei a qualidade das carnes e o entretenimento.

Tinha lido sobre a Antica Macelleria Cecchini numa entrevista antiga do Galvão Bueno para uma revista.

Prédio da Macellaria pintado com listras horizontais vermelhas e brancas Blog Vem Por Aqui

Não que eu simpatize muito com o Galvão, mas sei que ele produz o próprio vinho na Toscana, conhece bem a região, e fiquei curiosa. Achei que valia a pena ver de perto esse açougue tocado por Dario Cecchini há 40 anos, um homem que vive da ode às carnes e expressa seu respeito pelos animais aproveitando cada parte deles da melhor maneira possível.

O artista da carne e seu público

Além dos produtos que vende no açougue, Dário oferece três experiências gastronômicas, em dois prédios diferentes, um de frente para o outro.

Quadro com pintura antiga, com peças de frios ao lado e, abaixo, figura estilizada de um boi vazado com números indicando cada parte do animal Blog Vem Por Aqui

O mais barato é o Dario DOC, espécie de lanchonete com carnes premium que tem combos de € 10, € 15 e € 20, onde não é preciso fazer reserva.

Solociccia é um restaurante com preços intermediários. O menu degustação, de € 30, oferece seis pratos com carne, acompanhados de vegetais, pão e ainda dá direito a grappa e bolo de azeite de sobremesa.

Mosaico com prato de carne com molho, garçom servindo a grappa e bolo de azeite Blog Vem Por Aqui

Na própria Macelaria, acontece a Officina della Bistecca. Em mesas comunitárias, na parte de trás da casa, os clientes provam cinco tipos de carne, incluindo a famosa bisteca fiorentina.

Garçom servindo bisteca para senhora idosa que sorri Blog Vem Por Aqui

O próprio Dario, com seu jeito pra lá de expansivo, dá explicações sobre as carnes, que sim, chegam à mesa quase cruas, e não, ele não admite conversa sobre o ponto.

Mosaico com as carnes servidas, todas bem vermelhas, os dois primeiros com fatias de limão siciliano no prato Blog Vem Por Aqui

Os acompanhamentos são os mesmos do Solociccia, incluindo ainda batata assada com manteiga artesanal, vinho, água, café e a possibilidade de repetir algumas vezes.

Mosaico com fotos das comidas, na primeira carne com batata, na segunda, a batada com manteiga e, ao lado, feijão branco Blog Vem Por Aqui

A reserva nos dois restaurantes é fundamental.

Pagamos felizes os € 50 por cabeça da Officina e adoramos bater papo com um grupo de americanos em que alguns estavam lá pela terceira vez.

Mesa com americanos sentados de frente uns para os outros Blog Vem Por Aqui

Por incrível que pareça, todas as três opções contam com um menu vegetariano…

Tô longe de poder eleger quais vinícolas você DEVE visitar quando for a Toscana. A região tem várias casas premiadas e tipos diferentes de vinhos. Dos famosos Brunellos aos populares Chiantis, de gigantes do mercado como a Antinori e a Biondi Santi a pequenos produtores que fazem vinho de ótimo qualidade, mas dos quais sequer ouvimos falar porque produzem em pequena escala.

Três barris empilhados numa adega com outros dos lados Blog Vem Por Aqui

A revista Adega tem uma reportagem com um beabá sobre os vinhos da Toscana e o Piacere, Itália! montou uma lista com oito vinícolas que indicam.

Eu resolvi conhecer algumas menores, dentro das cidades onde estava hospedada, e só me desloquei mesmo para ir até a Castello di Ama.

Entrada da vinícola com parede de pedra onde está o portal de entrada e casinha de pedra ao fundo Blog Vem Por Aqui

É que, além de ter vinhos premiados, essa vinícola conta com um acervo de arte contemporânea e tem várias obras a céu aberto, como uma versão miniatura de Inhotim. Os espaços até compartilham criações dos mesmos artistas, como Cristina Iglesias e Carlos Garaicoa.

Obras de arte da vinícola Barris com luz vermelha ao fundo e a palavra Revolution onde LOVE se destaca, tampas de barris coladas lado a lado na parede com frases escritas, muralha em miniatura no meio de um terreno e parede de vidro com espécie de janela Blog Vem Por Aqui

Até por isso, o tour não é barato, custava € 35, mas, ao contrário do que acontece em algumas, onde a gente só prova exemplares de segunda linha, a degustação tinha quatro dos vinhos mais famosos da vinícola.

Quatro taças lado a lado com vinhos diferentes em cada Blog Vem Por Aqui

Em Pisa, num dia de chuva, encontramos abrigo, pizzas e uma cecina gostosos no Al Bagno di Nerone, no Largo Parlascio. Cecina é uma espécie de pizza fina, feita com massa de grão de bico. Os pratos e umas cervejas saíram por € 23. Nada memorável, mas bem feito e sob medida para esquentar o corpo e matar a fome.

Prato com ceccina e taça de cerveja na frente Blog Vem Por Aqui

Parece pizza, mas é cecina

A Osteria del Neni, em Lucca, deixou lembranças mais marcantes. Provamos duas massas muito boas, uma torta quente de chocolate, uma garrafa de vinho da casa de um litro e pagamos € 35.

Mosaico com fotos do restaurante, de um prato com nhoque e da torta de chocolate Blog Vem Por Aqui

Em Florença, um dos nossos lugares preferidos era o Mercato Centrale, um desses mercados antigos que foi renovado e conta com vários espaços gourmet.

Vista do alto do mercado com várias pessoas embaixo diante das barracas Blog Vem Por Aqui

Gostamos tanto que almoçamos duas vezes no restaurante Tosca.

Mesa com taças e jogos americanos de papel com caricaturas Blog Vem Por Aqui

Na primeira visita, comemos no balcão diante da cozinha, no primeiro andar.

Balcão de mármore com jogo americano, com copo e talheres e, em frente, ilha de trabalho Blog Vem Por Aqui

Na segunda, ficamos na parte de cima.

Mesas em frente à estante de vinhos na parte de cima do restaurante Blog Vem Por Aqui

Como eu estava numa fase meio ‘burrata é vida’, onde tinha uma, essa era a entrada.

Pratinho com burrata sobre rúcula e presunto cru ao lado Blog Vem Por Aqui

E o que seria uma entrada tradicional por lá, virou meu prato principal. Aproveitei para provar a Papa al Pomodoro, mistura de sopa de tomate com pedaços de pão italiano, que achei beeem gostosa.

Tigela com sopa grossa vermelha com queijo ralado por cima Blog Vem Por Aqui

O marido preferiu uma lasanha que, segundo ele, entra para o panteão das coisas inesquecíveis junto com o papardelle com ragu de carne que ele pediu na vez seguinte.

Mosaico com lasanha e papardelle Blog Vem Por Aqui

Outro lugar que eu queria muito conhecer era uma portinha que existe desde 1875, na Vià de Cimatori, a I Due Fratellini. Fomos logo que abriu, às 10h, para evitar as filas enormes da hora do almoço.

Fila em frente da lanchonete Blog Vem Por Aqui

Depois das 12h é assim…

Gostei muito dos paninos, sanduíches com mais de 30 combinações, que custavam entre € 2 e € 3.

Fachada do lugar com os irmão lá dentro Blog Vem Por Aqui

Visitamos ainda um restaurante mais tradicional, o Le Antiche Carrozze, que, coincidentemente, também existe desde 1875, numa das regiões mais elegantes da cidade, a Piazza de Santa Trinita.

Fachada do restaurante com um toldinho onde está escrito Trattoria Blog Vem Por Aqui

Enquanto Mateus ficou na pizza de (quase) sempre, eu aproveitei a época para comer uma massa com trufas que matou todos os meus desejos.

Prato de massa com trufas Blog Vem Por Aqui

No site você confere os itens atuais do menu e o preço.

Compras

Pra quem não consegue viajar sem voltar com as malas cheias, primeiro, eu recomendo cuidado. É um pecado mortal trazer peças e peças de roupas e nenhum vinho ou iguaria italiana. Depois indico dois outlets que existem na região.

Se você já esteve na Europa e nos Estados Unidos, sabe bem a diferença de preços de outlets de um país para o outro. Os europeus (esses dois italianos incluídos) não são aqueeeela maravilha, mas têm sim lojas famosas, com bons descontos.

Só visitei um, que ficava a 20 minutos de Cortona, o Valdechiana. Não ficamos muito tempo por lá e compramos pouquíssima coisa. A maior parte das marcas são italianas, mas tem Adidas, Gap, Nike, Tommy e Kiko (maquiagens com produtos semelhantes aos da M.A.C e preços bem menores).

Vista de frente do prédio do outlet com pessoas passando em frente Blog Vem Por Aqui

O outro outlet da região é o Barberino Design, a 37 quilômetros de Florença, com opções mais cobiçadas pelos brasileiros como Michael Kors, Calvin Klein, Lacoste e um mix que me pareceu bem melhor que o do Valdechiana.

Ponte que há no meio do Barberino e prédios do outlet atrás Blog Vem Por Aqui

Vou deixar quem entende do assunto falar sobre o tema. Peguei muitas dicas no Consuelo Blog, da Consuelo Pascolato, filha da Constanza. Ela mora em Florença há anos e montou várias listinhas, como essa, com alternativas para quem quer fazer boas compras na cidade, sem furar o bolso.

Aproveito só para indicar um produto que eu amei, os cosméticos e, principalmente, as essências para casa do Erbário Toscano.

Vidro do odorizador com palitos de madeira saindo dele e cartaz do Erbário atrás Blog Vem Por aqui

Comprei uma de uva que me arrependendo fortemente de não ter estocado, já que, pelo que eu andei vendo no site, saiu de linha 🙁

O que ver

Dá pra fazer vários e vários posts sobre as atrações culturais e históricas das cidades da Toscana.

Vista de Volterra Blog Vem Por Aqui

O pessoal do 360 Meridianos escreveu sobre os principais pontos turísticos de Florença. O Manual do Turista listou as atrações de Pisa. Já o Italiana fala das belezas de Siena e o Viajar Pelo Mundo de San Gimignano. Isso sem contar a infinidade de roteiros e lugares imperdíveis que estão no Passeios na Toscana.

Foi a própria Deyse, autora do Passeios, que me disse que o importante por lá é não focar apenas nas atrações conhecidas e manter o olhar atento em cada caminhada pelas ruas.

Tudo na Toscana está impregnado por um passado riquíssimo. Foi assim que encontrei essa placa, numa casa qualquer, em Montepulciano, na qual o proprietário, orgulhoso, registrava a passagem de Giuseppe e Anita Garilbaldi.

Placa em italiano falando da passagem de Garibaldi Blog Vem Por Aqui

A vista da parte alta da cidade é outra atração gratuita.

Vista dos telhados das casas e, ao fundo, os campos Blog Vem Por Aqui

A Piazza Grande e seu Palazzo Comunale se encaixaram perfeitamente na reprodução para TV da vida dos Medici.

Prédios que rodeiam a praça com bandeiras estilizadas e pessoas observando as filmagens Blog Vem Por Aqui

Em Montalcino fiquei encantada com essas paisagens que apareciam de surpresa, no topo de uma escada qualquer.

Escada com vista para os campos da cidade e telhados de casas Blog Vem Por Aqui

A Fortezza, que começou a ser construída em 1381, impressiona os visitantes pela imponência. Só há cobrança de ingressos para quem quer subir na muralha. Adultos pagam € 4 e crianças a metade.

Fachada da fortaleza e com suas duas torres de cada lado e construção toda em pedra Blog Vem Por Aqui

Lá dentro, existe uma enoteca com ótimos exemplares da região e é possível fazer provas de três a cinco vinhos que variam de € 14,90 a € 120.

Mesa da enoteca com taças de vinho Blog Vem Por Aqui

Cortona é o cenário de várias cenas de um dos filmes que fez a fama dessa área da Itália, mas eu não encontrei o sol quando estive por lá, nem os girassóis (que só aparecem nos campos no auge do verão europeu).

Prédio no meio da praça principal de Cortona com torre do relógio Blog Vem Por Aqui

Passei pela cidade ‘sob a chuva da Toscana’, mas adorei andar pela Piazza della Republica e descer a rua principal, cheia de lojinhas ótimas para comprar lembranças.

Ruas de pedra com pessoas andando com guarda-chuvas Blog Vem Por Aqui

Depois de Florença, San Gimignano é o lugar mais bombardeado por turistas. Chegamos num domingo e quase me arrependi pela escolha quando vi vários ônibus parando do lado de fora da muralha e despejando multidões ávidas por conhecer tudo no menor tempo possível.

Na segunda, o clima era outro, tivemos tranquilidade para andar pelas ruas e observar com calma algumas das 14 torres construídas entre os séculos XII e XIII.

Uma das torres da cidade Blog Vem Por Aqui

Volterra me surpreendeu pelos tesouros arqueológicos. O Anfiteatro Romano, os restos das Termas, a Porta Etrusca… Há muita história preservada e heranças que ainda estão sendo descobertas por ali.

Sítio arqueológico diante do anfiteatro Blog Vem Por Aqui

Achei um pouco de graça nas escadas rolantes eternas que levam a gente ao centro de Siena. Quando saí do estacionamento, tive a impressão de que elas não acabariam nunca. Finalmente cheguei à Piazza del Campo e entendi porque a praça em formato de meia lua é considerada uma das mais bonitas do mundo.

Praça com prédios rodeando e pessoas passando na frente Blog Vem Por Aqui

A Torre del Mangia é o complemento perfeito para a praça.

Torre comprida no final de um prédio mais baixo Blog Vem Por Aqui

O Duomo sienês também é um espetáculo. Vale a pena pagar o passe que dá acesso a todo o complexo (cripta, batistério, catedral e museu), que varia de € 8 a € 15, dependendo da época do ano.

Fachada do Duomo Blog Vem Por Aqui

Em Pisa também enfrentamos uma baita chuva e acabamos não vendo muito mais do que a torre.

Érika e Mateus fazendo graça nas fotos com a torre, ela parece que está se apoiando e ele que está empurrando Blog Vem Por Aqui

Compramos os ingressos (que, atualmente, custam € 18) pela internet, no site oficial. Marcamos o horário em que queríamos subir e tivemos que chegar um pouco antes porque é preciso trocar a folha impressa pelo ticket em si, além de deixar bolsas e sacolas num locker.

Vista da torre com estádio escrito Pisa abaixo Blog Vem Por Aqui

O ogro lá de casa, a pessoa que diz que não gosta de arte e museu, acabou se entregando em Florença. Mateus amou a cidade (a ponto de dizer que é a sua segunda preferida na Europa, depois da nossa querida Barcelona) e não fez outra coisa senão visitar prédios históricos e ver algumas das obras mais importantes da humanidade.

O primeiro impacto que recebemos veio do Duomo, que ficava em frente à rua onde nos hospedamos e aparecia em todo seu esplendor, de dia ou de noite, quando abríamos a janela.

Mosaico com o Duomo visto da janela de dia e de noite Blog Vem Por Aqui

Subir até a cúpula não é uma experiência para qualquer um. Não recomendo para idosos, pessoas com problemas de locomoção e claustrofóbicos, porque é escada que não acaba mais….

Pinturas da cúpula Blog Vem Por Aqui

Querendo ou não ir até lá, o melhor para conhecer o Duomo, evitando filas gigantes, é comprar o ingresso conjunto, de € 15, que dá direito a visitar a catedral, a cúpula, o batistério, o campanário e o museu. O site oficial é esse aqui.

Meu alvo número 2 em Florença era um espaço famoso por um homem pelado.

A Galleria dell’Academia é a casa do David de Michelangelo, e tem muitas outras peças importantes distribuídas por 21 espaços. O ingresso custa € 8 e também é vendido online.

Estátua do Davi com pessoas fotografando abaixo Blog Vem Por Aqui

A Basílica de Santa Croce era outro lugar que eu considerava indispensável e que não me decepcionou.

Frente da basílica Blog Vem Por Aqui

Lá, estão os restos mortais de italianos notáveis como o próprio Michelangelo, Dante Alighieri e Galileu Galilei. A entrada também custa € 8.

Mosaico com os túmulos de Dante e Galileu Blog Vem Por Aqui

Ainda fomos à Uffizi e passamos pelo Palazzo Vecchio.

Lateral do Palazzo com pessoas caminhando Blog Vem Por Aqui

Mas BBB é o passeio pela Ponte Vecchio, aliás, BBG porque é bom, bonito e gratuito.

Mateus observando o outro lado do Arno com a ponte de fundo Blog Vem Por Aqui

A ponte, que escapou dos bombardeios da Segunda Guerra Mundial, também conseguiu manter-se cercada por suas joalherias.

Ao atravessá-la, chegamos a um dos bairros mais cools da cidade, Oltrarno. Procure seu ponto principal, a Piazza Santo Spirito.

O que vem por aí

Em breve, você vai ver no VPA as experiências da Deyse, do Passeios na Toscana, e pegar dicas especiais de quem vive, há mais de 10 anos, ajudando brasileiros a terem experiências fantásticas na região.

Confira abaixo outras belezas da Itália.

Compartilhe

Comentários

  1. Maria Edna disse:

    Que felicidade ter encontrado seu blog … estou indo a Toscana em março proximo e estava querendo algumas dicas … adorei as suas e a forma franca e facil de descrever sua viagem … parabéns e espero que faças muitas outras e aproveite com alegria !

    1. Érika Gimenes disse:

      Felicidade a minha de receber um comentário tão carinhoso e um feedback tão positivo por um trabalho que é feito com o maior carinho. Que a sua viagem seja maravilhosa. Se puder, depois passa aqui pra contar 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *