M W / Pixabay
BeabáEuropa
23/07/2019 | Nenhum comentário

Malta, um paraíso estratégico

Trace um pontinho no meio do mar Mediterrâneo, entre os continentes europeu e africano, e pronto! Você encontrou Malta.

Esse arquipélago de 21 ilhas tem uma posição tão estratégica que já foi disputado por fenícios, romanos, árabes, espanhóis, franceses e ingleses (os principais colonizadores nos tempos modernos). Muito antes dessa disputa, a região já era habitada. A presença humana foi detectada por ali desde 5.200 a.C.

Um dos menores países do mundo ganhou destaque até na Bíblia, citado no livro dos Atos dos Apóstolos, que conta como São Paulo naufragou em Malta, quando estava a caminho de Roma, e acabou convertendo a população local.

Apenas três das 21 ilhas são habitadas. Malta é a principal, seguida por Gozo e Comino. A capital é Valeta, mas a antiga cidade de Mdina guarda tesouros do tempo em que era a referência no país. Hoje, virou a ‘cidade do silêncio’, com cerca de 300 moradores, mas preserva a herança medieval em seus palácios e igrejas.

Entrada da cidade com ponte medieval e portão de pedra

Valeta foi declarada Patrimônio Histórico da Humanidade e conta com o Forte de São Telmo, o Museu da Guerra e o teatro Manoel para encantar os turistas.

Vista do mar da cidade

Renilda de Oliveira estuda de letras na UFMG e morou dois meses em Sliema, enquanto fazia um curso de inglês que contratou com a Central do Estudante. Ela adorava passear pela orla e diz que o próprio Mediterrâneo era a maior atração por ali.

Assim como acontece na Lagoa Azul, em Comino, uma praia de águas cristalinas e areia clara. Ou em Dwjera Bay, em Gozo, que até tinha outro atrativo, uma rocha vazada, conhecida como Janela Azul, que desabou no ano passado, deixando apenas o mar como protagonista.

Janela azul, portal de pedra com o mar azul abaixo

Como fica muito próxima da Itália, é possível ir de barco de Malta à Sicília em menos de duas horas.

Renilda fez o trajeto duas vezes e ficou apaixonada por essa e outras aventuras que viveu em Malta.

O lugar é maravilhoso, eu quero muito voltar, dá até vontade de mudar para lá.”

Cultura

As influências inglesas, italianas e árabes foram as mais fortes na cultura do país, mas também há vida própria. A dança folclórica e o artesanato têm uma identidade nativa muito forte.

O rugby é um dos esportes que atraem mais atenção dos malteses. Quando o país não está competindo em campeonatos internacionais, é comum que parte da população torça pela Itália ou Inglaterra.

É o próprio site oficial de turismo que avisa: o comércio funciona de 9h às 13h e de 16h às 21h. Seja pela sesta ou para fugir do calor nas horas mais quentes do dia, os comerciantes fazem uma pausa no meio do expediente.

Uma superstição repetida em várias igrejas é a presença de dois relógios, no alto dos edifícios. Um tem a hora certa e outro uma hora errada, para confundir demônios que cheguem à cidade.

Gastronomia

O pastizzi é a comida mais típica de Malta. Essa espécie de pastel de massa folhada pode ter vários recheios (doces ou salgados).

Prato branco com quatro pastellis no meio de formato de concha com recheio de queijo dentro

O penne ao molho maltês leva salsichas sem pele e queijo de cabra apimentado. A tal-armla é uma sopa com vegetais, tomate e queijo que também é muito popular.

Já pensou em colocar macarrão no seu omelete? Os malteses já e criaram o vermicelli.

Vermicelli em prato fundo com caldo

O fenek, carne de coelho, é feito guisado com temperos e vinho. A carne de cavalo também é comum nas mesas.

O Kinnie é o refrigerante local, um tipo de soda mais amarga, feita com laranja e ervas.

Compras

Os lugares mais originais para compras são os mercados. No Il-Monti, em Valeta, é possível encontrar muitas bijuterias. Já o que fica na Merchant Street tem produtos mais populares. No it-Tokk, de Gozo, que é montado todo dia na praça principal da cidade, é possível encontrar bons doces.

Mulheres retirando doces para clientes em barraca cheia de opções e um cliente de costas escolhendo

Em Sliema, o shopping The Point reúne marcas italianas variadas. Já Gozo tem o Arkadia e o The Duke.

As peças de prata maltesa são muito procuradas pelos turistas, assim como artigos de artesanato, feitos com vidro, vime ou renda.

O torrone produzido na ilha é outro presentinho típico de Malta. Seguido das miniaturas e dos licores e geleias de figo da índia (bajtra), mel ou limão.

Banca com figos e potes de geleias

Dicas

A fábrica da Cisk, cerveja local, fica em Mdina. Tente fazer um tour e beber um copinho direto da fonte.

Prédio da fábrica da cervejaria

O jóquei clube de Il-Marsa, em Malta, tem um pavilhão com supermercado e lojas.

Não é permitida a presença de animais nas areias, nem nadando nas praias do país.

Informações Úteis

Clima: Mediterrânico

Território: 313 km²

Idioma: Maltês e inglês

Fuso horário: (UTC + 1 e + 2)

População: 436 mil

Código telefônico: + 356

Moeda: Euro (‎€)

Tomada: Plugue tipo G (lista com imagens)

* Texto produzido originalmente para o site da Central do Estudante, agência de intercâmbios que contratou o VPA para a produção desse conteúdo.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *