Foto: Acervo pessoal Maria Teresa Diniz
Na melhor X Na piorÁsiaEuropa
21/02/2017 | Nenhum comentário

Um quase atropelamento na China e a beleza de Lausanne

Maria Teresa Diniz já morou nos Estados Unidos, na França, conhece vários países da Europa, o Canadá, a China, a África do Sul e, mesmo assim, se surpreendeu com Lausanne. A arquiteta, urbanista e criadora do Urbitandem conta o que viu de tão mágico na Suíça e o susto que viveu andando sozinha nas ruas do país mais populoso do mundo.

Na Melhor

Maria Teresa tinha que ir de Paris para Zurique para dar uma palestra na cidade suíça. Como estava com o marido e o filho de sete meses, preferiu o trem ao avião, mas, para que o trajeto não fosse tão longo, resolveu parar em Lausanne. Algumas pessoas até recomendaram o contrário, dizendo que não era um bom lugar para ir com criança, mas ela não teve nenhum arrependimento.

Eu me encantei com o humanismo da cidade, o tanto que é bem equipada, com infraestrutura. Das calçadas bem organizadas e confortáveis, de ter banco pra sentar no sol ou na sombra, de ser bem iluminada, de ter lugar pra comer. [...] Acho que foi um momento perfeito, de estarmos nós três muito alegres, felizes e numa cidade incrível.

A integração do homem com o ambiente é um dos principais temas do trabalho de Maria Teresa. Poder observar essa dinâmica em Lausanne foi um ponto positivo da viagem.

Parque em frente ao rio com pessoas sentadas nos bancos Blog Vem Por Aqui

As pessoas aproveitavam os parques, à beira do lago Léman e curtiam esse privilégio ignorado pelos brasileiros que é ter condições climáticas que te permitam sair de casa e ver a vida pulsando lá fora.

Pessoas andando no local de uma fanfest durante a Eurocopa Blog Vem Por Aqui

A família aproveitou para acompanhar os jogos da Eurocopa nas festas de rua.

Multidão na festa durante Eurocopa Blog Vem Por Aqui

E adorou passear pelo Museu Olímpico que, segundo a arquiteta, além de ter um acervo interessante, também tem uma área externa muito bonita.

Vista do alto da parte externa do parque com montanhas e lago ao fundo Blog Vem Por Aqui

O restaurante do museu, o Tom Café, é outro ponto que ela indica e diz que tem preços razoáveis para a realidade de Lausanne.

Parte interna do café com letreiro com letras coloridas, mesas e mosaico de estante ao fundo Blog Vem Por Aqui

Tudo na Suíça, em geral, é muito caro na comparação com o resto da Europa.”

Essa foi a primeira viagem que Maria Teresa fez com o bebê e, apesar de ser uma estudiosa dos desafios que os espaços podem criar para os homens, sentiu na pele outra realidade.

Eu tô aprendendo várias coisas novas, como usuária de transporte público ou mesmo no comércio.”

Apesar de todos os pesares em relação à preparação das cidades brasileiras, a urbanista diz que o metrô de São Paulo, por exemplo, consegue ser mais acessível que o de Paris. Com anos de existência, muitas estações parisienses não têm elevadores.

É muito importante, para quem está com bebê, de carrinho, e não vai ficar andando de táxi, escolher um hotel perto de um metrô que tenha elevador. E são pouquíssimos...”

Por isso, ela recomenda ainda uma consulta ao site da RATP (empresa responsável pelos transportes públicos em Paris) para saber a situação atual de cada estação e onde os elevadores estão funcionando ou não.

Marido de Teresa de costas, andando com o carrinho na direção de uma ladeira e outras pessoas passando na rua Blog Vem Por Aqui

Como seu filho já estava acostumado a andar de metrô e pelas ruas de São Paulo no carrinho, tirou de letra as ladeiras de Lausanne e as escadas das estações parisienses.

Maria Teresa com o carrinho e o bebê sentando, atrás uma mochila pendurada Blog Vem Por Aqui

Mas ela conta que uma infraestrutura mínima é sempre importante. A capa de chuva, por exemplo, é indispensável. A mãe também trocou a bolsa por mochila para estar sempre com as mãos livres. Um sistema de cordinhas presas no carrinho ajudava a evitar a perda de sapatos e brinquedos.

Maria Teresa sorrindo com o bebê no colo Blog Vem Por Aqui

Os pais também aproveitavam os momentos de sono do filho para fazer refeições e lançavam mão dos ‘não-brinquedos’ (como canudos e colheres de café) para distraí-lo quando acordava.

Praça central em Lausanne Blog Vem Por Aqui

Para ver mais dicas sobre Lausanne, recomendo a leitura do post do Esse Mundo É Nosso ou dos roteiros de um ou dois dias do O Mundo É Pequeno Para Mim.

Já o Viajar com Crianças e o Viajando com Pimpolhos são especialistas quando o assunto é rodar o mundo com filhos pequenos.

Na Pior

O trabalho como urbanista já levou Maria Teresa a vários lugares interessantes e metrópoles que impressionam. Uma das visitas mais esperadas foi à China.

Muralha da China vista à distância passando pelas montanhas Blog Vem Por Aqui

Ela estava numa viagem oficial da prefeitura paulista, acompanhando um secretário. Num dia em que tiveram uma manhã livre, decidiu voltar a um mercado por onde haviam passado rapidamente.

Como não falava nada de mandarim e o inglês nem sempre resolvia seus problemas nas ruas chinesas, a arquiteta levou o cartão do hotel para mostrar o endereço ao taxista, na volta. Na ida, pediu para o recepcionista escrever o nome do lugar onde queria chegar. Parecia precaução suficiente, mas só depois ela se deu conta dos riscos que correu ao sair por aí, sem informações mais precisas sobre ela mesma, num país onde a língua é uma barreira.

Vista aérea de uma avenida central cheia de carros e prédios na China Blog Vem Por Aqui

É que, quando estava voltando, Maria Teresa atravessava uma avenida, com o sinal fechado e na faixa de pedestres, até que uma moto na contramão quase a atropelou. A moto chegou a bater de raspão na perna dela. O susto foi imenso.

Eu fiquei em choque, no meio da avenida. O sinal ia abrir e veio um monte de chinês, me pegou pelo ombro e me arrastou para o canteiro central.”

Mesmo depois de pegar um táxi e chegar ao hotel, ela continuou atordoada pensando no problema que poderia ter causado a si mesma e a toda equipe.

Se eu tivesse me machucado, se tivessem me levado para um hospital, como eu ia fazer? Como eu ia avisar quem eu era e como eles iam me encontrar?”

É que ela não carregava nenhuma informação mais objetiva que ajudasse a identifica-la ou a determinar o local onde estava hospedada.

Para evitar problemas, preste sempre atenção nas dicas básicas de segurança em viagens.  O 360° Meridianos tem post sobre isso. O Sunday Cooks também.

Nos links abaixo você vê mais uma história de viagem da Maria Teresa e outras dicas da Suíça.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *