Foto: Premium Level at Barcelo Bavaro Palace
Na minhaAmérica
07/08/2017 | Nenhum comentário

Um resort em Puna Cana

Esse não é um post sobre Punta Cana, conhecer a cidade mais visitada da República Dominicana é para poucos. A maioria dos turistas que aterrissam por lá conhece apenas um resort. Ainda que façam um passeio ou outro, o que eles querem é desfrutar as delícias do sistema all inclusive.

Imagem aérea de todo o complexo hoteleiro Barcelo Blog Vem Por Aqui

Punta Cana é um destino tão procurado que recebe, por ano, quase a metade dos visitantes que vêm ao Brasil. E é a infinidade de resorts que atrai o público. Há dezenas de lugares onde é possível não fazer nada (ou fazer um pouco de tudo), sem pensar em dinheiro e sem se preocupar com esforço físico ou logística. Por isso, antes de ter acesso à mordomia, é preciso trabalhar.

Definir a época certa para a viagem é fundamental se você não quer disputar buffets lotados, nem ficar esperando para pegar bebidas. Alguns resorts também restringem o número de reservas nos restaurantes à la carte durante a alta temporada e até alegam overbooking transferindo os hóspedes para outras unidades da mesma rede, que nem sempre tem as mesmas amenidades…

Outro ponto importante é escolher o formato da contratação dos serviços: por conta própria, pelos sites agregadores ou por pacotes de agências de viagens? A CVC é mestre em divulgar promoções com preços arrasadores para Punta Cana. Ganha-se em economia, perde-se em glamour. Os hotéis selecionados pela operadora estão longe de ser hypados. O consolo é que dificilmente quem nunca desfrutou de um all inclusive e não foi criado à base de hotéis cinco estrelas vai sair frustrado. Claro que dá pra saber quando a decoração é de gosto duvidoso e a comida não é gourmet, mas a fartura é tanta e a paisagem tão bonita que não há tempo para choro ou ranger de dentes.

Pés cruzados, pintados com unhas vermelhas, diante de uma piscina com fonte Blog Vem Por Aqui

Para escolher os hotéis e para saber tudo sobre Punta recomendo uma vasta pesquisa na meca das dicas de turismo, o Viaje na Viagem, do Ricardo Freire. Tem comparativos entre os hotéis, impressões de vários turistas e uma descrição detalhada do que esperar da viagem.

Escolhido o ponto, vale a pena dar uma olhadinha nas promoções do Booking e seus semelhantes, mas, em se tratando de resorts, os sites dos próprios empreendimentos costumam ter opções vantajosas e permitem uma certa personalização na escolha. Você se cadastra, recebe descontos exclusivos, reserva o quarto, o transfer e ainda pode pedir um agrado especial se estiver em lua de mel, fazendo aniversário de casamento ou alegar qualquer outra comemoração.

Área central com pequeno coreto redondo, palmeiras dos lados e mar ao fundo Blog Vem Por Aqui

As páginas dos grandes resorts têm versões em português e muitos ainda mantêm uma central telefônica onde é possível fazer a reserva e tirar dúvidas. Algumas redes também vendem pacotes. Nas simulações que eu fiz, saia mais barato comprar a passagem à parte.

Outro detalhe importante sobre a passagem é que uma parada de dois a três dias no Panamá não costuma alterar muito o preço e vale a pena, tanto pelas compras, quanto pela própria Cidade do Panamá, que é uma gracinha e vai ser assunto para outro post…

O eleito

O meu escolhido em Punta Cana foi o  Premium Level at Barceló Bávaro Palace, o antigo Barcelo Bávaro Palace Deluxe. Confesso que num primeiro momento nossa intensão era ficar no Hard Rock Café, mas o Barceló tinha um padrão semelhante e um preço melhor. Ele está no meio do caminho (mais para a ponta de cima) entre os mais simples e os mais sofisticados.

Recepção do Barcelo com esculturas em formato de pessoas dançando e letreiro grande acima Blog Vem Por Aqui

As instalações são lindas, tudo parecendo novo e sem aquele excesso de tropicalismo, tão comum na região. A comida é que não é de restaurante estrelado, mas não foge ao que é comum na região.

Oito dias inteiros dentro de um complexo hoteleiro, nenhuma vontade de sair do lugar, de desbravar as redondezas ou de ter qualquer tipo de trabalho. Escolher errado teria sido um tiro no pé, mas voltaria incontáveis vezes ao resort que escolhi.

Deck do hotel com chão de madeira, sofás de palha com almofadas vermelhas, em frente à piscina

Depois de uma vasta leitura em blogs já esperava as pequeniníssimas decepções que tivemos. Fui sabendo que, fora os mais caros e exclusivos, nenhum tem serviço na praia ou na beira da piscina (quem quer tomar uns ‘bons drink’ tem que levantar para pegar). Também havia lido que o all nem sempre quer dizer tudo quando se trata do sistema all inclusive. Spa, vinhos caros, o campo de golfe, as camas da piscina de adultos e otras cositas más tem um valor à parte. Mesmo assim, as mordomias são muitas.

Segui o conselho do Ricardo Freire, e, dentro do meu orçamento, tentei não economizar na escolha do resort e dos benefícios. Apostei no Premium Levei porque ele era elogiado em quase todas as resenhas que li e muita gente destacava o espaço suntuoso sem ser esnobe (o novo sexy sem ser vulgar, rs!) e a qualidade dos serviços oferecidos.

Varanda do quarto com vista para o gramado com palmeiras e mar ao fundo, na lateral, parede de pedra e banheira Blog Vem Por Aqui

Na época em que eu fui eles ainda tinham o sistema de pulseiras vip, que dava direito a benefícios extras como quartos com melhor localização, toalhas de praia na suíte, uma garrafa de rum de boa qualidade como presente de boas-vindas, horas de hidroterapia no spa, reservas gratuitas no restaurante mais disputado e café da manhã num espaço exclusivo.

Hoje, pelo que vi n o site, eles aboliram esse sistema e cobram a parte pelo uso do spa, mas permitem reservas em todos os sete restaurantes à la carte. Além deles, há dois buffets, um sports bar que fica aberto 24 horas e uma infinidade de bares que servem apenas bebidas.

Bar do lobby com pessoas em volta de uma mesa e garçonete no meio, servindo Blog Vem Por Aqui

Quanto às piscinas, as principais são três. Uma enorme que passa por vários setores do resort e tem bar molhado, área para esportes (com rede e raias), espreguiçadeiras dentro da água e uma parte mais rasa para crianças; uma infantil, com brinquedos e decoração característica e uma só para adultos, onde os pequenos são proibidos de entrar.

Piscina de adultos com camas de teto de palha ao fundo e sapos que cospem água do lado esquerdo Blog Vem Por Aqui

Essa de adultos tem tendinhas com camas que podiam ser reservadas por US$ 15 a diária, bar exclusivo e fica na beira da praia.

Cabana com teto de palha, cama com estofado branco e espreguiçadeiras à frente, a primeira tem uma toalha amarela e uma blusa do Atlético Mineiro pendurada Blog Vem Por Aqui

Para os esportistas, há uma academia bem completa no spa, uma série de atividades diárias organizadas pelos monitores, equipamentos e quadras, além de modalidades pagas (como as aulas de mergulho e o acesso ao campo de golfe).

À noite sempre tem show no anfiteatro, não são superproduções da Broadway, mas divertem bastante. Os temas variam todos os dias: Michel Jackson, circo e até Brasil com direito a músicas cantadas com sotaque.

Teatro do hotel com cadeiras de madeira e palco com cortina vinho ao fundo Blog Vem Por Aqui

Também notei que antes do show havia uma atividade no palco para crianças. O hotel possui ainda um setor chamado Barcley´s Club (em alusão ao dinossauro que é mascote do resort) onde os pais podiam deixar os filhos para brincar e participar de atividades com monitores, confesso que não passei por lá para conhecer…

Área infantil do parque com piscinas com tobogãs e ponte Blog Vem Por Aqui

Quem fica no Premium também pode acessar os outros hotéis da rede que ficam no mesmo complexo. Um trenzinho leva os hóspedes para todas as partes. E por falar no trenzinho, quem não quer ficar dependente dele, nem andar horrores para chegar à área central e às piscinas tem que prestar atenção no mapa ao fazer a reserva. Os quartos perto do campo de golfe costumam ser mais baratos, mas também são mais distantes.

Sobre a praia, posso dizer que é linda, mas não sei nem a temperatura da água. Com a comodidade das piscinas, abri mão do mar. Aproveitei para admirá-lo sem tocar. Parece difícil entender a lógica de estar na praia sem ir à praia, mas fica fácil compreender quando a gente se vê cercado por tantas facilidades.

Espreguiçadeiras com tolhas e, à frente, cadeira salva-vidas com teto de palha Blog Vem Por Aqui

O Barceló ainda tem um shopping com Duty Free e lojinhas variadas. Os preços não chegam a ser absurdos, mas, claro, são mais altos do que fora do resort.

A boate, que toca um sem fim de músicas latinas mescladas com pop americano, fica mais cheia do que eu podia imaginar e é comum encontrarmos grupos comemorando casamentos ou outras datas especiais.

Pessoas na pista de dança na boate, diante do palco com duas dançarinas e um telão BLog Vem Por Aqui

Já o cassino atrai meia dúzia de curiosos e alguns viciados. Vi uma mulher apostando freneticamente na roleta (de US$ 100 em US$ 100…), brinquei um pouco nas maquininhas tipo jackpot e logo perdi o interesse.

Pessoas na entrada do cassino com mesa de vidro no meio e cordas separando o público dessa mesa Blog Vem Por Aqui

Para quem quer fazer passeios, no saguão há representantes de agências de turismo prontos para marcar mergulhos com golfinhos ou city tours em Santo Domingo. Até pensei em conhecer os golfinhos, mas a preguiça e os US$ 120 por pessoa (com mais US$ 90 pelo CD com fotos) me fizeram abrir mão da aventura.

Na próxima postagem tem informações extras sobre a dinâmica dos restaurantes e bares do resort.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *