Foto: Acervo pessoal Fanny Zsoldos
Na melhor X Na piorÁsia
02/02/2017 | Nenhum comentário

Uma plantação de arroz na Indonésia

Para alguém que já conhece 54 países e continua viajando compulsivamente, o que não faltam são histórias inusitadas para contar. Fanny Zsoldos apresentou a Hungria aqui no VPA e indicou a Nicarágua como o próximo destino #musttogo. Agora, diz o que viveu de melhor e de pior rodando pelo mundo.

Na Melhor

A primeira viagem sozinha, a gente nunca esquece. E foi a ida à Indonésia, em 2014, que ficou marcada para Fanny.

Templo bem ao fundo com jardins dos dois lados Blog Vem Por Aqui

Ela estava um pouco perdida quando chegou, mas logo fez amizade com outros europeus que a convidaram para passear de bicicleta. O que era para ser só uma voltinha, virou uma experiência antropológica.

Bicicleta parada embaixo de uma árvore com templo bem ao fundo Blog Vem Por Aqui

O grupo se viu no meio de uma plantação de arroz e começou a interagir com os locais, que não falavam inglês, mas deram um jeito de explicar o trabalho com gestos, além de convidá-los para ajudar.

Dois plantadores de arroz, de costas, no meio do arrozal enlameado Blog Vem Por Aqui

No fim, os moradores ainda cozinharam para eles.

Fanny e mais uma turista com um morador, plantando o arroz Blog Vem Por Aqui

Não sabíamos nem o que eles faziam, mas eram coisas com arroz. E foi aquela sensação ‘Uau, estou aqui no meio do nada e não esperava por isso!’.”

Depois da plantação de arroz, o êxtase aumentou quando foram ver os templos e as belezas naturais da região.

Campo verde em vários níveis e cheio de árvores Blog Vem Por Aqui

O inesperado é que o encantou Fanny. Para ela, ser surpreendida é a melhor parte de uma viagem, por isso, é preciso dar espaço ao acaso.

Para mim é a sensação de não saber o que vou fazer amanhã. Me levanto, vou ver o que tenho vontade de fazer e perder-me.”

Na pior

O espírito aberto já colocou essa húngara querida em situações complicadas. As infecções alimentares que ela teve em duas viagens (para Singapura e para a Indonésia) foram os momentos de terror para Fanny. A ponto de pensar:

Por que faço isso comigo? Nunca mais vou viajar, prometo!”

É que ela tem mania de provar de tudo nas ruas. E enfrentou noites horríveis como resultado.

Barraca de rua cheia de comidas em Bali Blog Vem Por Aqui

Um das feirinhas que a Fanny encarou na Indonésia

Em Bali a sensação foi ainda pior porque, além de estar com muita febre e passando muito mal, estava sozinha. Quando se deu conta de que qualquer pessoa mais próxima estava a 30 horas de voo, o desespero aumentou.

Fanny sorrindo tomando suco de melancia

O sorriso de quem já se deu mal, mas, nem por isso, vai ficar só no suco

Mesmo que esteja mais cuidadosa com suas escolhas, Fanny não perdeu a curiosidade. Continua tentando provar o máximo de cada lugar, só escolhe melhor os fornecedores. Afinal, não é todo dia que a gente esbarra em plantadores de arroz com comida fresquinha para o almoço.

O Jornalista Itinerante tem um ótimo post para quem quer evitar problemas como o da Fanny em viagens. O Prontuário Id Med, um site com notícias sobre saúde, também.

Nos links abaixo você vê outras dicas que já demos da Indonésia.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *