Foto: Acervo pessoal Fabiana Nigol
BalaioÁfricaAméricaEuropa
12/10/2016 | 1 comentário

Viagens de criança

Na minha época, viajar era artigo de luxo para criança. Geralmente, sinônimo de praia nas férias ou de casa de parente no interior. Lá pelos 15 anos, quem estava mais pra ponta de cima da classe média conseguia a indefectível ida à Disney e, com um pouco mais de sorte, um intercâmbio. A vida pelo globo demorava para acontecer e seguia em ritmo lento até cada um ser dono do próprio nariz.

Desde que os pacotes da CVC apareceram e as companhias aéreas começaram a parcelar passagens em até 10 vezes, muita coisa mudou. A internet também tirou o medo dos pais em se aventurar por aí com suas crias. Dá pra saber exatamente como é um quarto de hotel e cada caminho que se vai percorrer antes de sair de casa, por isso, é cada vez mais comum pequenos e pequenas com passaporte recheado.

No Dia das Crianças, resolvi ouvir os próprios representantes da classe para saber o que eles têm a dizer de suas viagens.

Izabela Leite de Miranda tem cinco anos. Já morou em Recife, São Paulo e, hoje, vive em Belo Horizonte.

Izabela com o pai e a mãe, na Disney Blog Vem Por Aqui

Belinha, na Terra Encantada com o pai e a mãe

O ponto alto da vidinha da Bebela aconteceu no ano passado, quando ela esteve em Orlando.

Lá na Disney tem uma montanha russa, eu adorei! O que eu mais gostei foi o Castelo do Harry Potter e tem um elevador que sobe e desce.”

Passou perto de fugir dos estereótipos para meninas, mas, quando pergunto o que há de mais legal por lá, ela se entrega:

É se vestir de princesa, é muito bom! Eu vi a Elza, a Ana, tirei fotos...”

E como tirou, né, Belinha?

Várias fotos da Izabela com as princesas na Disney Blog Vem Por Aqui

A terra do Mickey também foi o destino favorito de Arthur Magno Castanha Só, de 9 anos.

Arthur no parque Blog Vem Por Aqui

Esse menino espevitado, que, não por acaso, é meu sobrinho, sabe, na ponta da língua, do que mais gostou.

A montanha russa do Harry Potter, do dragão.”

Será que o estômago deu uma embrulhadinha?

Um pouquinho, mas nem foi tanto...”

Para quem não tem a coragem do Arthur, ele recomenda outros dois brinquedos.

O do Homem-Aranha e o do Transformers. São 3D e soltam água em você, é muito legal!”

Já para comer, ele passou um pouco mais de aperto. O Arthur é uma versão da vida real do Menino Brócolis.

Por isso, reclamou da comida na terra do Tio Sam:

Só tem hambúrguer, macarrão...”

E disse que teve que provar uma coisa muuuuuuuuito estranha (juro que foi ele quem falou!):

Eu só comi porque eu tava morrendo de fome, só comi pra não desmaiar. Era hot dog, a única coisa que tinha!”

Para o Arthur, a parte mais legal das viagens é:

Me divertir e brincar.”

E a mais chata:

Ficar fazendo compras.”

A irmão dele pensa exatamente o contrário.

Arthur, a mãe e a irmã em frente ao símbolo da Universal Blog Vem Por Aqui

Arthur, a mãe e a irmã no Universal Studios

Catarina Castanha Só tem 11 anos (quase não quis fazer parte de uma entrevista sobre Dia das Crianças…). Ela também amou a Disney e curtiu, justamente, o que o Arthur detestou:

Eu gostei de fazer compras, comprei meu Ipad...mas também gostei muito de ir nos parques.”

Laura Tavares Carias de Miranda, de 9 anos, também já esteve na Disney, mas esse não foi o lugar de que ela mais gostou. Talvez, porque tenha começado suas andanças pelo mundo na Europa.

Laura posando sentada, em frente à pirâmide do Louvre Blog Vem Por Aqui

Desde que saiu do Brasil pela primeira vez, com três anos, Laura esteve em nove países. E cita o último lugar por onde passou, como o melhor. Ela a-d-o-r-o-u Cancún.

Porque eu perdi o medo de nadar com os peixes e foi em alto-mar.”

A pequena fez snorkel com o pai e a mãe nas águas do Caribe.

Laura na água, de máscara e snorkel, fazendo sinal de OK Blog Vem Por Aqui

Pra quem tem medo de lugares desconhecidos, ela dá um conselho:

Pesquisar os passeios. A gente também vê na Smart TV os vídeos sobre o lugar antes de ir.”

Comidas diferentes entram novamente no tópico da conversa com uma criança e, apesar de fazer algumas experiências, Laura tem um limite.

Eu só não provei guacamole, isso não! Eu me recuso a provar guacamole. É abacate, misturado com tomate, misturado, com um monte de coisa. Não, gente! Que isso!”

A neve é o próximo sonho dessa figurinha. E ela já escolheu o Chile como destino. A família se prepara para, em julho do ano que vem, levar a Laura ao seu 10º país.

Laura e os pais, de braços abertos, em frente a uma pirâmide em Cancún Blog Vem Por Aqui

Pode até ser muito, para alguém tão pequeno, mas não é nada comparado à maior especialista infantil no assunto que eu conheci.

Isabelle Nalu já nasceu viajando. Os pais percorriam o mundo há quatro anos, atrás das melhores ondas para ele (Everaldo Pato, surfista) e das melhores imagens para ela (Fabiana Nigol, cinegrafista), quando resolveram aumentar a família.

Com 20 dias, Bella entrou no avião pela primeira vez. Com dois anos, virou estrela de um programa do Multishow.

Izabelle bebê na prancha com o pai Blog Vem Por Aqui

O Nalu Pelo Mundo mostra as aventuras da pequena há sete temporadas.

paises

Ela já esteve em 37 países até o momento e está doida para chegar a um próximo destino.

Eu quero ir muiiiiito pro Egito, é o meu país favorito!”

Izabelle sentada nos ombros da mãe com uma girafa ao fundo Blog Vem Por Aqui

Do alto dos seus nove anos de idade ela já viu tanta coisa diferente que não consegue eleger apenas um lugar preferido.

São três. O meu primeiro é a África porque tem os safáris, que você vai lá no carro, vê os animais soltos, na natureza. O segundo é o Havaí, que é onde eu nasci, onde tem a minha escola, meus amigos, onde eu posso surfar, andar de skate... E o terceiro é a Indonésia, porque a gente pode andar de moto toda hora, vai nos templos, come comida diferente.”

Como sempre teve muito contato com o mar e a natureza, ela ama animais.

Meus favoritos são todos os da água. E da terra, os animais da África! Os cinco do símbolo da África.”

Observando rinocerontes, na África Blog Vem Por Aqui

O leão, o elefante, o búfalo, o leopardo e o rinoceronte africanos são conhecidos como os Big Five e viraram uma referência no país dos safáris porque são considerados os mais difíceis de serem caçados. Apesar de perigosos, não assustam a Bella.

O que eu tenho mais medo é, com certeza, tubarão. Ou cobra, eu morro de medo de cobra!”

Mas ela já encarou seus pavores.

Izabelle mergulhando com snorkel e máscara

Eu já vi cobra de perto e já nadei com tubarão.”

Nossa expert acalma crianças com medo de se hospedar na savana africana.

Você vai ficar num hotel protegido, eles têm uma cerca, os animais não vão entrar no hotel.”

Ainda faço uma gracinha e pergunto se não tem leão comendo seu café da manhã e me sinto uma tia velha quando ela me olha com preguiça e diz:

É claro que não!”

Eu e a mãe dela morremos de rir.

Izabelle num tuk tuk na Indonésia com um chapéu típico Blog Vem Por Aqui

Lembro à Bella que muita criança não gosta de provar novidades quando viaja, e ela dá seus conselhos (reprisando o que ouviu em casa).

Tem um monte de pessoa que não gosta de provar comida nova. Desde criança, eu sempre provei comidas. O meu pai fala: ‘Como que você não vai gostar se você nem provou?’ Eu aconselho a provar. Meu pai falou: ‘Se você não gostar, cospe fora e toma água pra tirar o gosto.’ Você tem que provar, faz você mais saudável.”

13590485_1107851165973516_6301888154830652177_n

E tem como seus preferidos alguns pratos pouco convencionais.

A minha comida favorita é udon [macarrão japonês servido como sopa] e uma comida que tem na Korean Airlines. É tipo uma mistureba. Arroz, um monte de carne, pimenta... É muito bom!”

Como nossa viajante é experiente, mas ainda é criança, tem algo que ela não larga.

Eu sempre levo meu bichinho de pelúcia, o nome dela é Pimpa. Sempre carrego na mão ou na mochila.”

Bellinha dormindo com a ursa Pimpa Blog Vem Por Aqui

Pra quem vive na estrada o desapego é lei. Vira e mexe a Isabelle tem que abandonar brinquedos que comprou no país que está visitando. Fabiana explica porque:

A gente carrega muito equipamento, então acaba que isso já é metade da nossa bagagem. A gente não pode levar muita roupa. O duro é que a gente acumula muito brinquedo no lugar em que está e depois, pra vir embora, acaba dando tudo.”

Bella, a mãe e o pai, mais os carrinhos com bagagem, na saída do aeroporto Blog Vem Por Aqui

Bella sente o golpe, mas não se abala.

Eu fico meio triste. Se tiver muito, não dá pra levar. Aí, eu só levo um, o meu favorito.”

Bella e um amiguinho andando, de costas pra câmera, numa trilha do Havaí Blog Vem Por Aqui

Os amigos ela não abandona de jeito nenhum.

Geralmente, quando encontro um amigo, meu pai conhece o pai do meu amigo. Tipo lá em Fiji. Eu conheci o Luca, que também tava num barco. A gente brincou e o meu pai conheceu o pai dele e ficou o maior amigo dele. Ele pegou o Whatsapp e, de vez em quando, eu falo com o meu amigo.”

Para ela, a melhor coisa de viver viajando é que:

Você conhece um monte de comida, cultura nova, tudo... E eu gosto de conhecer os países, o que eles têm de local deles.”

A coisa mais chata é:

Quando o avião tem pouco filme, daí, quando você vê todos os filmes, fica sem fazer nada. O voo mais chato que eu já tive foi um que não tinha TV e eram seis horas, eu fiquei sem fazer nada e não tinha trazido meu Ipad. Sorte que meu amigo tava comigo, aí a gente faz um monte de piadas.”

E se ela tiver que parar de viajar?

Eu vou ficar bem triste, mas se eu parar de viajar, eu vou viajar pequenas distâncias.”

Fabiana, Izabelle e Pato Blog Vem Por Aqui

Ou seja, parar de vez não está no planos…

Nunca!”

Quero saber da Bella se ela também conhece muitos lugares no Brasil.

Conheço, que eu fiz uma viagem de helicóptero, daí eu conheci lugares que eu nunca sabia que existiam. Na pororoca, eu surfei, tá no programa.”

É verdade, tá lá. No GloboPlay você acompanha todas as temporadas do Nalu Pelo Mundo e do Nalu a Bordo.

Bella no helicóptero sobrevoando a costa brasileira Blog Vem Por Aqui

Mas não são esses feitos, nem a coleção de fotos, que serão as maiores heranças da Nalu. Para Fabiana, o ganho é muito maior.

Eu acho que ela viajou tanto que é uma criança muito adaptável. Por exemplo: ‘Bellinha agora a gente tem que ir pra escola.’ Tudo bem, ela vai, faz os amigos dela...‘Agora a gente vai morar sozinho no barco.’ Ok também! ‘Agora a gente vai pruma ilha deserta que tem umas criancinhas que não tem nem roupa pra vestir.’ Ok. ‘Ah, agora a gente vai pra Inglaterra, morar no palácio dum amigo do Pato, milionário.’ Tudo bem também. Então, tudo passa a ser normal e eu acho isso legal pra vida dela.”

Nem toda criança tem oportunidade de viver tantas experiências tão cedo. Você pode não ter condições de levar o seu filho a 37 países, mas já pensou em 37 cidades vizinhas? 37 bairros diferentes do seu? Entender que existem modos de vida e padrões diferentes dos nossos amplia a consciência. Crescer flexível e adaptável é um legado e tanto para qualquer um.

Mosaico com todos os entrevistados Blog Vem Por Aqui

Encerramos com a quase xará da Nalu, a Izabelinha, de cinco anos:

Deixe comentários se você gostou da minha entrevista, tchau, tchau!”

Compartilhe

Comentários

  1. Carine Tavares disse:

    Erika, adoramos a matéria!!!
    Obrigada pelo carinho e pelas valiosas dicas de viagem que já nos passou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *